sábado, 23 de maio de 2009

UM ANJO DA NOITE


"Desce do Céu, Urania, por esse nome
Com justiça é chamada a tua arte, e tua voz divina
Seguindo, por cima do Monte Olimpo eu voo,
Mais alto que as asas de Pégaso,
Conduzido por ti,
Dentro do céu dos céus, lugar em que presumo
Ser um convidado terrestre, respirando ares imperiais (temperado por ti);
Com a mesma segurança guiaste-me para baixo
Devolvendo-me ao meu elemento nativo;
a menos que por este corcel alado sem redeas (como se deu
Com Belerofonte, embora de uma esfera mais baixa),
Eu seja derrubado sobre o campo aleano,
Perdendo-me ali, desorientado e abandonado."
(Paraíso Perdido, livro VII, de Milton)

Sem comentários:

Enviar um comentário