terça-feira, 22 de setembro de 2009

MOMENTO BAUER


Quem acompanha a saga de Jack Bauer pela TV brasileira assistirá hoje ao último episódio dessa temporada da série. Assisto desde a primeira temporada, e nesta sétima, acompanhei pela TV americana. Já sei o final - que não é um final. Mas bem, eu não vou contar - nada contra spoilers - o final. Faço um protesto, na verdade.

Há tempos que isso me atazana a pulga que vive na curva da minha orelha direita. Jack Bauer, nosso caça-terroristas politicamente incorreto preferido, foi prisioneiro na China por anos, voltou para sua pátria-mãe, passou 24 horas (temporada anterior) naquele corre-corre de sempre e no final, cansou e foi-se embora pra África. Daí viveu por lá fugindo do "oficial de justiça" americano que desejava intimá-lo para depor em um Comitê do Senado (telefilme). Com um golpe miliciano aliado à intervenção da presidente eleita no país em que se escondia, as circunstâncias o levam ase apresentar à embaixada americana e pronto, vai pros EUA depor. Em Washington.

Até aí nada de mais. Logo na primeira hora (ou primeiro episódio, como queiram), Bauer é requisitado para se juntar ao FBI. Em Washington. Esse é o ponto: não é que o agente, que passou seis temporadas moendo tudo quanto é adversário em Los Angeles, anda, dirige e coordena operações das mais mirabolantes pelas ruas de Washington como se fosse o quintal da casa dele? Aprendeu onde? Na prisão onde foi torturado, na China? Ou foi na escolinha humanitária africana onde ficou abrigado em Redemption?

"O suspeito está um SUV preto (lógico, sempre) na Penn... siga pela Constitution até a Sexta, dobre a direita..." e por aí vai. Sabe tudo. Ensina até a polícia local. Daí imagino o sujeito no trânsito do Rio de Janeiro. Numa perseguição em São Paulo, já pensou? E será que ele conseguiria encontrar um endereço em Belo Horizonte?

Impressionante. Fico imaginando se até a oitava temporada(e final da série, infelizmente) vão descobrir um GPS implantado no cérebro do valentão. Sim, porque a oitava temporada se passa nada mais, nada menos, do que em Nova York. Só isso já diz muito.

Não vejo a hora da estréia. Quero ver como é que serão as perseguições pelo trânsito daquela cidade.

Num yellow cab, talvez...

4 comentários:

  1. o cara é o Jack Bauer. poderoso, vitaminado, neescessário e o carro deve ter O GPS (rs)
    Ah, qual foi a melhor temporada para você? pergunto pq esta foi a primeira que vi de cabo a rabo.
    marcia1907

    ResponderEliminar
  2. Márcia, você tem razão. Ele pode. Mas não deixa de ser esquisito. Para mim a 3ª, 4ª, 6ª e esta 7ª, um pouco mais atrás, são as melhores. Há controvérsias. Meus motivos pra escolher essas são, além das histórias, um ou outro personagem ou cena de que gostei mais.

    ResponderEliminar
  3. Nunca vi o seriado, depois desse post, não perco por nada. rsrsrsr Bjs, Blues

    ResponderEliminar
  4. Velvet querida
    descobri o mistério. no início da quarta temporada, o bauer está a serviço do secretário de defesa. e vive a um ano e meio em washington. tempo suficiente para conhecer as ruas e as gatas da cidade, já que tá de namorada nova...
    marcia 1907

    ResponderEliminar