domingo, 17 de outubro de 2010

ARROZ TERGIVERSADO


Hoje tem debate entre os candidatos a presidente - ou seja, entre Serra, o candidato a presidente, e Dilma Rousseff, a candidata a implantar a ditatura esquerdo-terrorista nestepaíz.

No último debate, o primeiro do segundo turno, dona Dilma Rousseff treinou e aprendeu a conjugar o verbo "tergiversar". Quem não sabe o que significa, não precisa se preocupar. Na boca da Coisa, não significa nada. 

Como tal, ainda durante o debate da BAND, achei que "tergiversado" tinha tudo a ver com qualquer prato que a gente faz naqueles momentos de desespero, na cozinha: abre a geladeira, pega tudo o que tem pela frente e faz um mexidão. O que sair dali, é Qualquer Coisa Tergiversada.

Pois essa semana recebi a receita que publico abaixo. Com essa gentileza: 
"Pra não dizer que não te segui no Twitter durante o debate. Comecei a receita..."

ARROZ TERGIVERSADO


Essa é uma receita complicada, mas não exige-se tanta experiência assim não. Nada que alguém que já tenha organizado uma prateleira de uma loja de 1.99 não consiga fazer. Vamos fazer um super arroz tergiversado para o Brasil.  Ta tudo alinhavado e decifrado aqui na receita.  Os passos são claros e bem definidos. Para se fazer um bom arroz tergiversado, tem que ter foco, se não você esquece de repetir alguma coisa muitas vezes, você tem que saber a hora de de de de de ga ga gaguejar.  

Vamos começar trazendo a base – o arroz.  Eu sei que tão dizendo que eu coloquei muita água no arroz e que não temperei direito, é tudo calúnia. Saibam que eu defendo o uso do pré-sal no arroz.  E use o arroz como ele vem na nossa cesta básica, não pode ser arroz integral não.  A gente não fala muito de integral porque é com os quebradinhos que a gente vai juntando o prato. Se o arroz não sair bom, é porque uma outra mulher mexeu na panela, mas eu não vi e não sei de nada.  

Na cozinha, eu delego responsabilidades e não presto atenção nem nas receitas nem nos pratos finais. O importante é que na dispensa tenha mantega pra fazer arroz para todo mundo.  Quando faltar ingrediente,  ou se acabam exagerando, ponha a culpa no cozinheiro antigo, mas se tiver algo bom que ele fez, vou te dizer uma coisa, fale que foi você quem fez. Você pega um prato que o povo gostava e dá uma mudada de nome e coloca uma salsinha pra decorar e ele passa a ser seu, é assim que se faz um prato tergiversado.  

De volta pro nosso arroz tergiversado, ele vai ficar bom mesmo, tem que bater bastante e colocar um montão de coisas diferentes em qualquer ordem, e tem que repetir muito, é o segredo da receita.  Voltar lá no começo o tempo todo. Ponha água e fale acrescente o arroz, depois ponha mais água e fale de novo acrescente o arroz, e aí ponha mais água.  Quando alguém notar que tem muita água diga que é calúnia.  E fale de boca cheia, diga que o povo gosta de tudo e que seu arroz dá pra servir um milhão, mesmo que seja só um pratinho.  

Esqueça a sua pré-concepção de cozinha, quando o prato pedir óleo, ponha leite, quando for a hora de sal, ponha canela, e repita bastante as coisas.  Esse é o segredo da receita. Na próxima semana vamos mostrar um jeitotergiversado de arrumar a casa, já ta tudo dividido, aliás nem preciso um plano, a casa já ta arrumada - é só repetir isso também. 

(Texto enviado a este blog por @Alannes, guardião e salva-vidas da minha ferramenta de trabalho, capoeirista, maratonista, e agora, descubro eu, blogueiro. Clica aqui: Sobra de Tempo ).

3 comentários:

  1. Amei o arroz!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  2. Eu primeiro gostaria de cOmprimentá a autora do.. deee...ddooo blog, né? pela postagem, né, que se diz, né? Muito boa. Quero agradecê que ocê usou a expressão que eu aprendi e gostei muito, que é o nosso... o...tergiversado. Só achei que a receita, assim desse jeito que ela... tá, ne? Num sei se vai dá muito certo.

    Amiga querida, eu me inspirei na fabulosa dona dotora, mas não cheguei nem perto. A inteireza da burrice da Coisa é inimitável.

    Amei o post!
    Beijos,

    Cuidadosa

    ResponderEliminar
  3. marcia190717/10/10, 20:49

    eu não vou tergiversar: a-mei!
    agora só não me obrigue a experimentá-lo (rs)

    ResponderEliminar