terça-feira, 9 de novembro de 2010

QUESTÃO DE OPINIÃO



É impressionante como os políticos brasileiros pouco aprendem com as lições das urnas. Mal esfria o “defunto eleitoral” de 2010 e já se começa a velar, (no sentido de acender velas), para os que “vão morrer” em 2014.  Afinal de pouco importa o futuro político da nação. 
Divide-se o espólio, antes mesmo que se espantem as moscas do sangue da praça de batalha. Como se dizia em Roma: VAE VICTIS!

Perde a eleição o candidato e não o partido. Assim depois das eleições pregam os “reformadores da salvação” dos partidos políticos. O “santo” da freguesia vizinha é mais “milagreiro”, ou mais “vaselina” para mentir um “novo tempo”. A pregação política desagregadora de LULLA já foi esquecida. Só resta a indignação seletiva contra o “clamor segregacionista minoritário” e segue o enterro.

A quem interessa questionar o conceito de Federação e sua representatividade? A ninguém, pois interessa que siga a União distribuindo benesses às mãos cheias com a arrecadação dos Estados mais ricos para decidir as eleições com os votos dos mais pobres. Esse é o “nó górdio” a que o Brasil está atado.

E a oposição, entenda-se por Aécio Neves, vai mais uma vez cumprir com seu “destino de trair”. Trair a vontade de pelo menos 44% dos eleitores...

(Escrito e enviado a este blog por Chumbo Grosso, do site Voto Distrital Já)

2 comentários:

  1. No CANAL LIVRE da BAND no domingo até DELFIM NETO reconhecia a necessidade de revisão do PACTO FEDERATIVO.
    Sem isso e a REVISÃO DA REPRESENTATIVIDADE na Câmara Federalserão sempre os "mesmos cachorros" correndo atrás do "nosso rabo"....

    ResponderEliminar
  2. Mal acabaram as eleições, a oposição deitou em berço esplêndido para descansar, enquanto o partido dos descalabros opera a todo vapor, rumo 2014.
    Às vezes, bate O desânimo.

    ResponderEliminar