sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

31 DE DEZEMBRO DE 2010


Seu Ano Novo, vamos bater um papo? Não vamos partir para D.R (discutir a relação), que isso é muito chato. Como já me disse alguém, "não discutimos a relação, relacionamos e pronto." Pois é. Um papo. Como somos dos tempos modernos, da internet e coisa e tal,  vamos logo ao que interessa. Vou te contar o que eu quero.

Eu quero que não me falte um livro, sempre, nas mãos.

Eu quero o meu silêncio. 

Aquele, que tento conquistar, definitivamente. O silêncio  há muito tempo ansiado. Que me foi usurpado. Hoje ele anda por aí, perdido. Eu mereço. Eu quero. 

É só o que quero de você, Ano Novo. Não o que desejo. E eu desejo...

A todos os que quero bem, e que, por alguma inconsistência do destino também me querem bem, desejo a dor. Sim. A dor. Eu a vivi, em 2010. Ainda vivo. E dela não mais abro mão. Uma vez reconhecida a sua importância, não se pode mais ficar sem: a dor do autoconhecimento. A mais salutar que há. Formidável. A mais essencial que se pode encontrar.

Se você deseja a felicidade, então você deseja encontrar o bem. Para encontrá-lo, você precisa da verdade. Para chegar à verdade, é necessário buscar o autoconhecimento.

E ser livre.

É só o que eu tinha a lhe dizer. Vem, 2011. Pode vir. Seremos felizes.

2 comentários:

  1. Autoconhecimento, a chave para a felicidade. Que seus pedidos para 2011 sejam todos atendidos.

    ResponderEliminar
  2. Gostei! A frase "não discutimos a relação, relacionamos e pronto" é muito boa!
    Feliz 2011!

    ResponderEliminar