sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

BLUES, UMA HISTÓRIA DIFERENTE - PARTE II

"Se não fosse a má sorte, eu não teria sorte alguma!"

Quando pensamos em Blues, pensamos em “falta de sorte”, “infortuito” traição e arrependimento. Você perde o emprego, a amada vai embora, o cachorro de estimação morre...aí entra o Blues.  

Enquanto as letras do Blues lidam com adversidade pessoal, a musica transpassa a auto piedade. O Blues é sem duvida a forma musical mais visceral possível. Vem do coração e da emoção. Basta ouvir o “Angel Of Mercy” Com Robert Cray e Albert Collins ou a versão do Little Jimmy King.

O Blues cresceu no Delta do Mississippi, à poucas milhas de Nova Orleans e levou mais de
50 anos para passar o limite da estrada que leva ao norte. Foi somente nas décadas de 20-30 que o blues chegou ao Chicago e se eletrificou. Com a instrumentação elétrica, o Blues sofreu o desdobramento para Rythm & Blues e Rock ‘n Roll.

Embora ninguém seja responsável pela “invenção” do Blues coube ao W.C. Hardy, um musico de igreja intinerante, a publicação do primeiro Blues de que se tem notícia, isso em 1903.

Durante o final do século retrasado, o Delta era o lar de centenas de blueseiros que deram forma ao gênero. Infelizmente levaram o legado para o tumulo por falta de dinheiro para se promoverem. Porém, há os registros dos pioneiros que foram recriados por Robert Johnson, Willie Dixon, Sun House, Blind Lemon Jefferson e Charlie Patton. Quando o Blues ganha a estrada, sofre desdobramentos regionais e ai temos Delta Blues, St. Louis Blues, Kansas Blues, West Coast Blues, Texas Blues e Chicago Blues.

Vale lembrar que o blues das “Jug Bands” era tocado por violão, contrabaixo, bandolim, gaita, violino e “tábua de esfregar roupa” (wash board) alem de outros ustensílios domésticos convertidos em instrumentos. Jug Bands tocavam em celeiros e lugares abertos. Veja: 


No final da década de 40 o Blues se popularizou em Chicago. John Lee Hooker e Muddy Waters colocaram guitarra elétrica, bateria e piano no blues e formaram bandas que definitivamente popularizaram o gênero.

Aposto que a maioria de nós nos familiarizamos com o Blues pela primeira vez através dos British Rock Blues. Guitarristas Ingleses que fizeram do Blues do Delta, a base da musica deles. John Mayall, Peter Green e Eric Clapton trouxeram o Blues para a Inglaterra e encorporaram o gênero no rock inglês. Os outros, Jimmy Page, Jeff Beck, Keith Richards e David Gilmore seguiram os passos tornaram o gênero cultuado dentro do rock contemporâneo. 

Vale lembrar por exemplo que o nome Pink Floyd é apenas uma alusão/homenagem a dois blueseiros antigos; Pink Anderson e Frank Floyd. Para quem não sabe quem é Peter Green por exemplo, basta lembrar o Black Magic Woman do Carlos Santana, sim, não é do Santana, é do Green. Quem curte Fleetwood Mac pode ir na discografia e ver quantas letras e musicas o Green fez para essa banda:


Os três maiores blueseiros ingleses saíram da mesma banda na década de 60, os Yardbirds. O Jimmy Page saiu para fundar o Led Zeppelin, o Clapton para fundar o Cream e o Jeff Beck saiu para ficar na banda do Rod Stewart. Fica por conta do gosto de cada um, mas dizem que os melhores blues foram feitos por meninos brancos da Inglaterra! Independente da polêmica, posso dizer que o “Since Ive Been Loving You” do Led Zeppelin é uma obra prima:



CONTINUA....

Escrito por Lunarscape. Veja a primeira parte aqui.

3 comentários:

  1. Velvet, assisti 2 vezes o Since Ive Been Loving You ao vivo. Uma na Apoteose por ocasião do tournée NO QUARTIER do Plant com Page. Mas a primeira vez a gente nunca esquece: Zeppelin ao vivo no Madison Square Garden.

    Lunarscape

    ResponderEliminar
  2. marcia190717/12/10, 22:08

    uau, viva o nosso blueseiro que sabe das coisas.
    e que texto gostoso.
    quero mais...

    ResponderEliminar
  3. Valeu Marcia, demais mesmo. Olha vem mais, muito mais. :)

    Lunar

    ResponderEliminar