domingo, 19 de dezembro de 2010

É DOMINGO



Oração ao DEUS desconhecido.

"Antes de prosseguir em meu caminho e lançar o meu olhar para a frente, 
uma vez mais elevo, só, minhas mãos a Ti de quem eu fujo. 
A Ti das profundezas de meu coração, tenho dedicado altares festivos para que, 
em cada momento, Tua voz me pudesse chamar. 
Sobre esses altares estão gravadas em fogo palavras: 
"Ao Deus desconhecido". 
Teu, sou eu, embora até o presente tenho me associado aos sagrilégios. 
Teu, sou eu, não obstante os laços que me puxam para o abismo. 
Mesmo querendo fugir, sintos-me forçado a servir-Te.
Eu quero Te conhecer, desconhecido. 
Tu, que me penetras a alma e, qual turbilhão, invades a minha vida. 
Tu, o incompreensível, mas meu semelhante, 
quero te conhecer, quero servir só a Ti."
(Friedrich Nietzsche)

2 comentários:

  1. Nietzche resumiu a decadência de um milênio e influenciou um século inteiro!

    Impressionante a crueza de suas obras e como elas se entranharam na filosofia e teologia modernas, definindo estas para a nossa geração.

    Estes versos acima são exemplos do canto nietzchiano e como isso moldou Sartre e Karl Barth, o primeiro na filosofia, o segundo na teologia. E estes devolveram tudo isso ao nosso tempo sob a forma da "crise", da catarse.

    Nietzche pariu o nosso século mais, muito mais, do que podemos imaginar!

    Gosto do seu bom gosto, Velvet, às vezes mais poison do que velvet... Parabéns!

    ResponderEliminar
  2. É, amigos. Poison é para os bons. Velvet, só para os desavisados...

    Boa semana!

    ResponderEliminar