terça-feira, 7 de dezembro de 2010

FIM DE TARDE


Minas não tem minas,
É fazenda.

Onde se olha Minas
Vê-se roça e chaminés.

Minas não tem floresta,
Mas matinho pequeno
Com aroma de tempero e chá,
De remedinho de vó.

Minas tem gostinho de leite
E cheirinho de capim
No sobe e desce de suas serras.

Não seria Minas se fosse plana.
Leite e verde
É a Minas irregular.

3 comentários:

  1. Simples e lindo, de comover. Parabéns ao querido poeta.

    ResponderEliminar
  2. Sabe que é isso mesmo? Minas é de uma simplicidade arrebatadora...

    ResponderEliminar