quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

QUESTÃO DE OPINIÃO



Pelo amor de Deus, pelo amor de Deus!
Morei nos dois lados da cidade maravilhosa. Na zona sul temos ruas sem buracos, policiamento ostensivo, tratamento paisagístico na orla na lagoa Rodrigo de Freitas e nas avenidas.Pode-se ver gente tranqüila conversando em mesas de bares e restaurantes espalhadas nas calçadas e até de noite pode-se assistir gordinhas e esguias malhando na orla enquanto a garotada joga futivôlei sob iluminação de primeira. Tem boas escolas e faculdades. A zona sul é tudo de bom. Mas num domingo à noite pode-se ver também como ainda jogam lixo nas praias do Leblon e de Ipanema.
Na zona norte morei no bom bairro residencial do Méier. Embora sem policiamento ostensivo e sem tantas praças bem cuidadas o ambiente de dia é bom, havendo restaurantes onde se pode comer decentemente, o comércio na avenida principal Dias da Cruz tem de tudo e há transporte para a cidade toda. Há boas escolas e universidades por perto. Muitas ruas formam vilas simpáticas com aquele ar de cidade de interior, bom para o papo de fim de tarde onde fizemos algumas amizades que mantemos até hoje, oito anos depois de termos saído de lá.
Nossa morada de dois anos no Méier teve fim numa madrugada. Eu e a esposa acordamos com o barulho de tiros vindo da rua. Da janela vimos um homem mancando, tentando correr e falando debilmente: “pelo amor de Deus, pelo amor de Deus”. Uns 10 - 15 metros atrás vinham dois atirando de revólver. Saímos da janela. Depois de mais alguns disparos ouvimos um carro arrancando. Na manhã seguinte uma linha de sangue gotejado sobre o asfalto terminava uns metros adiante numa poça de sangue sujo enlameado. Não procuramos saber detalhes nem nos jornais. Apenas desejamos ir embora dali.
Depois de alguns meses nos mudamos para uma cidade serrana, num bairro tranquilo onde se param os carros para os pedestres atravessarem as ruas. Exceto nos fins de semana quando cariocas estressados nos lembram que os carros têm buzinas. Não sei muito de segurança, acho que a ação da polícia no complexo do Alemão é positiva, mas ouço críticas que as UPPs devem levar mais do QUE polícia às comunidades. Devem levar saúde, educação, coleta de lixo e saneamento básico. Só sei de uma coisa com absoluta certeza: aqui no Rio na hora de escolher governantes devemos votar como quem ama e defende a própria vida e de sua família, pois a violência pode acontecer em qualquer momento e de onde menos se espera.

Escrito e enviado a este blog por Jorge Lima -  @Atakardiac.

2 comentários:

  1. Só quem vive no Rio, sabe.

    De minha parte, lamento muito, porque vou sempre ao Rio, adoro a cidade - assim como todos, inclusive quem nunca foi ao Rio - e a cidade sempre me tratou muito bem. Sempre, mesmo.

    ResponderEliminar
  2. marcia190715/12/10, 22:31

    pois é jorjão, o rio virou uma grande roleta russa e estou cansada do jogo...
    no mais só falta unir a zona norte a zona sul numa grande onda de conscientização de que a escolha de um governante tem que levar bem mais em conta do que uma boa campanha na tevê

    ResponderEliminar