terça-feira, 14 de dezembro de 2010

RIO, APAGÃO CULTURAL



Moro perto da Lapa e com a re-vitalização do bairro, graças aos comerciantes e não ao poder público, praticamente a cada duas semanas inaugura-se um novo bar ou casa de show. Enquanto isso, dos cinco cinemas que haviam na Cinelândia, apenas um, o Odeon permanece aberto. O último a fechar foi o Palace, cuja fachada em estilo mouro havia sido restaurada. Em 2010, o Teatro Glória também foi demolido no rastro das obras de reformas do Hotel Glória.

Na segunda-feira (13) o Anselmo Góis anunciava o fim da maior loja de cds da cidade: Modern Sound. E não era uma loja qualquer. Era o paraíso de cinéfilos, com seus dvds importados, e de quem curte jazz, bossa nova, chorinho, etc. E suas seções musicais faziam parte do roteiro cultural da cidade. Naquele pedacinho precioso de Copacabana havia cds e dvds de todos os gêneros. Os atendentes sabiam exatamente o que estavam vendendo. Lá, não havia perigo de um vendedor confundir Maria Callas com Mariah Carrey...

E a tarde chuvosa do Rio ainda guardava outra triste notícia.. Noblat anunciava no twitter que a  Letras e Expressões do Leblon estava falindo. E a  LE não era uma mera livraria.  Era um ponto de encontro. Reuniam-se ali, não só compradores, como também gente que queria saber das novidades literárias, grupos de poesia, como o Corujão da Poesia, gente que aproveitava para fazer um lanchinho enquanto folheava um livro, os insones que passavam lá as noites aproveitando para discutir literatura.  E ainda havia um show, no terceiro andar, sempre com músicos excelentes.Dói ver mais essa livraria desaparecer, pois lembro do tempo em que cada quarteirão havia pelo menos uma  e hoje, resta apenas a do shopping.


E vamos reclamar para quem?  A cultura no Rio está abandonada há muito.  E não é por falta de público, pois a cada exposição o povo comparece. Vemos nessas mostras, famílias inteiras admirando quadros, esculturas, porcelanas raras, qualquer tipo de arte.  Nos fins de semana o circuito histórico do Centro da Cidade com suas jóias, como o Gabinete Real de Leitura, o CCBB e os Museus ficam cheios de visitantes. Como lotadas são todas as apresentações de música clássica do Projeto Aquarius.

Por que os governos não investem?  Eles  não tocam sirene, não chamam atenção do povão, porque não  interessa a eles que esse povo se eduque.   Lamentável, não haver o mínimo incentivo. Teatros, livrarias, cinemas, lojas de cds, pagam o mesmo que bares e lojinha de quinquilharias. Para o Governo o que interessa é que se pague impostos, não importando que atividade seja. O que o governo quer é arrecadar, mesmo que o preço para a cidade seja o seu apagão cultural .

Texto de Mirtes Guimarães. Colaboração de @Bluesette22 

5 comentários:

  1. E com esse governador, heim? Será que o Cabral pai tem orgulho ou tem vergonha do Cabral filho?

    ResponderEliminar
  2. souquemsou214/12/10, 20:02

    Parte da responsabilidade recai sobre as chamadas obras de consumo rapido.Parte sobre o empobrecimento do ensino.
    O fato é este. Pobreza cultural.Muito dificil de ser revertida sem o devido reconhecimento ( e exigencia) da população e esta, prefere: pão e circo, naturalmente.

    ResponderEliminar
  3. Eles são iguais, já nem me iludo. "O cabrazinho do abortinho", que belo epíteto!

    ResponderEliminar
  4. marcia190715/12/10, 01:37

    eu ainda acho que cultural é um bem social e é de obrigação de todos lutar por sua preservação.

    ResponderEliminar
  5. Sandra Sallee15/12/10, 19:51

    Modern Sound fechando ?
    Sem palavras , so lamento ! A Letras e Expressoes fechar vai significar a decadencia de uma era aonde a Cultura era mais valorizada .
    Cultura e obrigacao do Estado .
    Educar hoje significa poupar para 1 futuro melhor .

    ResponderEliminar