quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

BOM DIA, ESTADO

Estado perigoso. Domina cinco meses por ano de nossas vidas pelos impostos. Domina nossa capacidade de pensar e decidir por nós mesmos, nos conduzindo como ovelhinhas, através de R$ 10 bilhões em propagandas que passam a ilusão de felicidade. Domina nossa consciência exatamente por nos vender (caríssima) a ilusão de que, se somos tão felizes, precisamos trabalhar mais e nos doar mais pelos incapazes de sentir tal felicidade, e dá a isso o nome de "justiça social" e "bem comum". 
Estado tão perigoso que seu governo parasita, a versão III dos anteriores da Idade das Trevas I e II, seguro, sem oposição e com a imprensa voluntariamente genuflexa, investe na vigilância total do cidadão, ignorando a Constituição e o princípio da garantia dos direitos individuais: inexistência de sigilo dos telefones fixos e celularas, ANATEL bisbilhotando a vida de qualquer um que queira; ABIN saindo do Gabinete de Segurança Institucional, que só existe para isso, para o controle total do porquinho petralha José Eduardo Cardozo, um dos bate-paus de campanha da presidente. E o SIPAM, que desde 2003, por obra e graça de José Dirceu, o chefe da Sofisticada Organização Criminosa, tem um sistema que intercepta qualquer ligação de celular, ilegal, mas que segue sendo usado pois esse  é um estado com muitas leis mas sem nenhum respeito a elas.

Estado petralha. Estado totalitário. Estado de exceção. Estado ordinário. Se você já percebeu isso, bom dia. 

"Agora, você já tem duas pontas. Quando juntar as cinco podemos sentar com os 3 senadores embasados em crime de responsabilidade." (Sharp Random)
(Leia aqui: TOTALITARISMO À VISTA)

6 comentários:

  1. Ou seja, se escapar da queda tem coice. Alguém está sempre bisbilhotando a vida de alguém, sem direito, sem ordem, sem respeito às leis. E com as benção do estado "protetor das leis".

    ResponderEliminar
  2. Mais uma ponta.

    Compra de equipamento para monitoramento das teles surpreende TelComp

    "Isso não foi sequer aprovado pelo conselho diretor. O que motivou a compra de equipamentos? Um possível regulamento? Isso parece jogo de cartas marcadas", protesta Jonas Couto, gerente regulatório da TelComp.

    via @eagorabr
    http://twitter.com/#!/eagorabr/status/28022754263437312

    ResponderEliminar
  3. http://www.anatel.gov.br/Portal/exibirPortalNoticias.do?acao=carregaNoticia&codigo=21105

    http://www.anatel.gov.br/Portal/exibirPortalNoticias.do?acao=carregaNoticia&codigo=21057

    http://jovempan.uol.com.br/noticias/brasil/2011/01/aloysio-nunes-ataca-quebra-de-sigilos-telefonicos.html

    ok

    ResponderEliminar
  4. Penso, que seria bons exemplos devem ser dados não concorda?é até HIERÁRQUICO eles deixem aberto às suas gravações,a polulação, a OPOSIÇÃO se encarrega de como isto pode se dá. eu não me sinto intimidada,usarei meus fones, móvel e fixo,vão prender? matar? torturar ?perseguir? não a senhora em questão lutou contra isto tudo, ela é totalmene contra.
    Acho pertinente eles gravarem os da Casa Civil, do Planalto e da residência daquela que acha sim, que é preferivel "o barulho da DEMOCRACIA" palvras ditas na campanha que muito me comoveu, nunca as equecerei,vale lembrar. Assim poderemos compartilhar quê forma DEMOCRACIA ela refere-se, e seremos co-participantes do barulho dela.

    ResponderEliminar
  5. Não posso concordar com o(a) internauta "anônimo" que comentou à 00:15. Exatamente quem não deve nada é que mais tem a temer. Todo culpado vem no encalço de um inocente.

    Eu temo, sim, porque vejo como inadmissível que o estado seja o primeiro a cometer crimes contra a Constituição, em nome de um programa partidário.

    ResponderEliminar
  6. Vamos repetir, enfadonhamente, o mesmo comentário postado em outro link mais recente: O Estado tuiniquim é tutor das autonomias, dos motoristas, das escolas, dos empresários, dos agricultores, dos eleitores, da cultura, da renda e dos amores. Quem exercerá a tutela sobre a hidra estatal de Pindorama? Sem segurança constitucional, ninguém. A solução está em uma Constituição inteligível e não dessas pensadas por advogados para serem interpretadas por juízes.

    ResponderEliminar