sábado, 22 de janeiro de 2011

REFLEXÕES DE UM JANEIRO ESVAINDO-SE EM ÁGUA



No dia 31 de janeiro, lá estava eu em São Paulo, num saguão de hotel conversando com minha mãe, e bem convicta, dizia a ela: "2011 vai ser um ano excepcional, bem feliz, até porque, mãe, no ano passado tivemos tanta tragédia que tenho certeza que esse ano será ótimo".  Olhei o céu nesse exato momento e disse: nossa, vai chover! E a conversa parou aí.

Me enganei, vivi uns dias de paz, mas comecei o ano e chorei: as tragédias vieram sem dó nem piedade, e as lágrimas vieram sem nenhuma timidez, escorreram sobre rostos de pessoas, não importava a idade. A cada reportagem, a cada vez que o controle da TV era ligado, ou mesmo que o jornal era desfolhado, mais vitimas, mais mortos, mais desaparecidos, mais crianças órfãs, sem ao menos saber o porquê daquilo tudo, pais em busca de seus filhos, netos em busca de seus avós, pessoas, seres humanos, assolados em seus pertences, fotos, roupas, cartas, documentos, móveis, tudo por água abaixo. Seres humanos por água abaixo, e aí eu me perguntei “cadê a minha esperança do dia 31 de dezembro?”

Pois é ela, foi embora, com a água também, e vamos nós, brasileiros, pessoas especiais, que conseguimos cada um doar um pouquinho de si ao próximo, mobilizar campanhas, chorar em frente a tv vendo tanta calamidade tanta dor, janeiro começou e vai terminar com mais uma história bem triste, e que ficará armazenada em nosso coração, mais uma ferida para doer. 

Mas a pergunta que fica é "ATÉ QUANDO?"

(Leia também, da autora: CAI A NOITE

2 comentários:

  1. marcia190722/01/11, 15:16

    infelizmente, ela se repetirá até quando os políticos aprenderem que política é para ajudar o país a melhorar e não para melhorar a vida deles.
    infelizmente, ela se repetirá até quando a população compreender que melhor que bolsa isto, bolsa aquilo é ter saúde educação segurança e morada digna.
    Enquanto os dois lados estiverem satisfeitos, nada será mudado.

    ResponderEliminar
  2. Vou "copiar" a Márcia:

    "ela se repetirá até quando os políticos aprenderem que política é para ajudar o país a melhorar e não para melhorar a vida deles"

    É isso aí! Este é o nosso país!

    ResponderEliminar