sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

BE-A-BÁ DO CORTE DESGOVERNADO

Desgoverno monetarista (1): decidiu cortar 50 trilhões de abobrinhas do orçamento da cozinha destepaiz

Desgoverno monetarista (2): detalhes do magnífico corte de abobrinhas? Faca bem amolada, com cuidado para não cortar demais. [Nem a própria mão.]

Desgoverno monetarista (3): bate a faca amolada nas abobrinhas, fazendo cortes fininhos, quase imperceptíveis; não se vê a olho pelado.

Desgoverno monetarista (4): se os comensais não apreciarem abobrinhas batidas, muda-se o cardápio, como se mudam as roupas... as convicções.

Desgoverno monetarista (5): mais do que cortar 50 trilhões de abobrinhas, o importante é o tempero, para a imprensa genuflexa voluntária bater palminhas.

Desgoveno monetarista (6): importante são as abobrinhas cortadas, aplauso da imprensa, povo feliz, carnaval, fuga ministerial da realidade matemática.

Juros extorsivos, inflação predadora, dólar derretido... Seus problemas acabaram: pão de pobre cai sempre com a Mantega para baixo. A sorte do desgoverno da Idade das Trevas destepaiz é que a massa banguela adora carnaval. [E abobrinhas.]


3 comentários:

  1. Pena que nem de longe, a falácia do desgoverno é saborosa como uma boa abobrinha batidinha, a la Geraes.

    A deles, é enrolação. A nossa, simples e objetiva. A deles, indigesta. A nossa cai leve, no estômago. A deles, nos suga. A nossa, alimenta.

    E pelo visto, vão cultivar alqueires a perder de vista, de mais abobrinhas. Restam 3 anos e 11 meses...

    ResponderEliminar
  2. marcia190711/02/11, 17:01

    ma-ra-vi-lha!
    tá na hora da imprensa tomar vergonha na cara e denunciar as abobrinhas federais.
    quanto ao povo, bom este só acordará qdo ñ tiver como pagar o cartão de crédito, o carro a tv de 40 polegadas...

    ResponderEliminar
  3. Mas, me conte Dona Presidente, vai fazer superávit para pagar os juros da dívida interna, e eu não sei exatamente, exatamente, exatemente, exatamente, de quanto é a dívida e os juros somados. Lembre-se desGoverno, de que o povo (eu) não é economista com prática de fiscalização das contas públicas ( das minhas dívidas que vocês contrairam em meu nome )

    ResponderEliminar