quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

BOM DIA, ESTADO

Estado de graça, não cabe em si de contentamento. Bom dia para o estado que hoje comemora 31 anos de fundação do partido da Era do desgoverno da Idade das Trevas. Que elevará, hoje, a felicidade lisérgica de comercial da perfeição à máxima potência, para que todos possam comemorar, já que nunca antes na história destepaiz um povo foi tão próspero, e como tal, feliz. Um dia que promete ser inesquecível, com festa vermelha e pronunciamento oficial da presidente - que ninguém se engane, não escolheu este dia de hoje, à toa, para a sua primeira rede nacional de rádio e TV - que falará, segundo especulações dos que lhe prestam genuflexão voluntária, sobre educação!

Bom dia estado, que mantém todos em estado de complacência, para que não vejam que o déficit público torna a economia desestabilizada e não há projeto de lastro para que não aconteça, em breve, a quebra nas contas públicas. E que não vê o retorno triunfal da inflação, que já é real - sem trocadilho. A receita é manter todos felizes à força da distribuição de ilusões. E ficam todos arrebatados, contentes, como ratos no queijo.

Bom dia, para você que votou no PT. Comemore. Daqui a pouco, é carnaval. 

"A felicidade não se atinge por meio de caprichos emocionais. Ela não é a satisfação de todo e qualquer desejo irracional que vocês tentem satisfazer às cegas. Felicidade é um estado de alegria não contraditória - uma alegria sem castigo nem culpa, que não entra em conflito com nenhum dos seus valores e não contribui para sua própria destruição -, não o prazer proporcionado pela fuga da sua consciência, e sim pela utilização plena dessa consciência; não o prazer de falsear a realidade, e sim o de atingir valores que são reais; não o prazer de um bêbado, e sim o de um produtor." (Ayn Rand)

1 comentário:

  1. Hoje comemora-se a fundação de um partido que vinha como detentor da bandeira do politicamente correto, da ética e e tudo que fosse O social. Após 31 anos rendeu-se ao capitalismo selvagem, ou melhor, ao pragmatismo assistencialista fisiológico.
    Sim, uma boa parte da população está feliz com as bolsas sociais, sem nenhum tipo de contrapartida, sem ter que a frequência das crianças á escola controlada, nada. Uma vez ou outra é solicitado um atestado de pobreza ou a carteira de trabalho demonstrando que está desempregado, mas quem se importada, se o Estado paga?
    Sim, bom dia para esses, pois para nós que pagamos essa conta, antes, durante e após o carnaval, tudo é como antes no quartel de Abrantes.
    E sem a ilusão que rainha de espadas faz pronunciamento nessa data querida, só nos resta comemorar o #corruPTosday, subindo nos treds.

    ResponderEliminar