sábado, 5 de fevereiro de 2011

CAI A NOITE


"Não quero amor que não saiba dominar-se,
desse, como vinho espumante,
que parte o copo e se entorna,
perdido num instante.


Dá-me esse amor freso e puro como a tua chuva,
que abençoa a terra sequiosa,
e enche as talhas do lar.

Amor que penetre até o centro da vida,
e dali se estenda como seiva invisível,
até os ramos da árvore da existência,
e faça nascer as flores e os frutos.

Dá-me esse amor que conserva 
tranquilo o coração,
na plenitude da paz!"

(Rabindranath Tagore)

Sem comentários:

Enviar um comentário