terça-feira, 1 de março de 2011

ALGO A DIZER




O Fio do novelo da decência.

Onde e quando perdemos o fio do novelo da decência, da verdade, da lisura, da honestidade, ensinado por nossos avós, pais, professores? 
 
Será que o perdemos quando lutamos pelo fim da ditadura, a volta da democracia e das Diretas Já? Será que achávamos que nossa parte como cidadãos já estava cumprida e deixamos de nos preocupar com o que governantes, parlamentares e juízes fariam com a tal democracia cantada em verso e prosa?
 
Será que o perdemos quando nos acomodamos nos quesitos pensar e agir em benefício de todos e do país e passamos a olhar exclusivamente para nosso umbigo, nossos problemas e, como seres superiores, nada poderia nos afetar e que neste exato momento, ao acordamos desse torpor profundo e malfazejo percebemos que deixamos o novelo perder-se no pântano da letargia, dando lugar à esperteza, desonestidade, ilegalidade, como formas de viver num Brasil do futuro? 
 
Se pensarmos bem, demos a todos eles, poderes inigualáveis para legislarem em causa própria, governarem por decretos-lei, utilizarem do erário (nossos impostos) de maneira irresponsável e aceitamos julgamentos estapafúrdios do poder judiciário como se todos fossem donos e senhores deste país, e o que é pior, nos deixamos levar por promessas que quase nunca são cumpridas. Ano após ano, apenas observando distantemente. 
 
Será que nossa revolta com tantos desmandos é uma auto-crítica ao nosso pífio comportamento cívico e de cidadania durante esses 21 anos? 
 
Vemos a democracia chegar à maioridade e necessitando de tomada de decisões para que amadureça mediante a consciência plena de cada um de nós como responsáveis e agentes ativos para a sua consolidação com base na decência humana, no respeito às leis e na ética. 
 
E para capturarmos o novelo das profundezas, teremos que buscar dentro de nós a coragem, a união, a humildade e mais do que nunca, o patriotismo, tão abandonado e desprezado pelo cidadão brasileiro. 
 
Seremos agentes transformadores quando nos conscientizarmos que somos os donos desta terra, de seu dinheiro recolhido através de impostos e que seu uso pelos desgovernantes deve ser transparente, real e aprovado pelos verdadeiros representantes do povo, que deverão habitar o Congresso Nacional. 
 
Neste momento está em pauta a reforma política e o nosso compromisso é acompanhar cada passo da comissão que irá analisar e preparar o projeto de lei que será colocado para discussão e votação. Conversar em família, no trabalho e com amigos sobre o assunto.  
 
Este e tantos outros que virão dependerão do esforço cívico de cada um de nós, porque seremos cobrados em breve pelas gerações futuras: o grau de nosso envolvimento em busca de um Brasil decente.  A crítica só é benéfica quando colocamos em discussão as saídas para a resolução dos problemas  enfrentados.

O novelo da decência não evaporou, apenas está perdido, pronto para ser achado e começar a ser tricotado! Mãos à obra, povo brasileiro!
 

18 comentários:

  1. Muito bom Marisa.. é isto... Vamos tricotar.
    Tuka Scaletti

    ResponderEliminar
  2. O povo não perdeu o fio da decência, tanto é que estamos na luta. O povo perdeu foi a lucidez e a garra que dela advém. Está em pleno delírio hipnótico, mesmerizado pelo reloginho que vai e vem da ignorância mais profunda. Um dia, acordará. Um dia.

    ResponderEliminar
  3. marcia190701/03/11, 17:13

    marisa,
    adorei lhe ler e já estou com as agulhas em punho!

    ResponderEliminar
  4. Querida, jamais li um texto tão verdadeiro quanto o Veneno Veludo.
    Traduz:Calma, serenidade, justiça, decência, prudência, simplicidade, paciência, esperança e atividade. Parabéns minha musa inspirada e inspiradora!

    Obrigado por me presentear esta jóia rara!

    “Eu acredito que nós devemos morrer com decência de forma que pelo menos a decência sobreviva.” (Dag Hammarskjöld)


    "Só é digno da vida aquele que vai, todos os dias, à luta por ela. "
    (Johan Wolfgang Von Goethe)

    "Se você agir sempre com dignidade, pode não melhorar o mundo, mas uma coisa é certa: haverá na Terra um canalha a menos."
    (Millôr Fernandes)

    "Educar a inteligência é dilatar o horizonte dos seus desejos e das suas necessidades."
    (James Russell Lowell)

    "Educação é aquilo que revela ao sábio, e disfarça do tolo, sua falta de entendimento. "
    (Ambrose Bierce)

    "O problema social não é simples questão de estômago. É uma questão de dignidade."
    (Padre Dehon)

    Forte abraço: Magalhães (tovaga)

    ResponderEliminar
  5. o que mais posso dizer,somos massa de manobra a anos passamos da monarquia ,para ditadura agora uma democracia ditadora e monarquica onde os reis fazem o que quer .a decencia se foi com os anos

    ResponderEliminar
  6. Marisa, muitos e me incluo entre eles, tem o péssimo hábito da impaciência.

    Democrácia não é um regime que nasce pronto nem o mais perfeito, ja dizia Churchil, mas apesar disso, ainda é o melhor que existe.

    Democrácia é um regime de experiência de tombos, de alternativas e é assim que ela vai se fortalecendo.

    Vivemos, no momento, no país, um desses momentos ruins da Democrácia, mas tenho fé, esperança e quase certeza, sairemos dessa fase melhores e mais fortes. Isso não quer dizer que devemos nos acomodar e deixar que as coisas aconteçam por si só e sim provocar que as mudanças, para melhor, ocorram e, penso, é isso que estamos fazendo.

    Somamos mais da metade dos eleitores que se opuseram aos planos do partido que atualmente governa e eles sabem que não possuem carta branca, para fazer tudo que bem entenderem. Terão que pedir autorizações. Depende de nós, concedermos ou não.

    ResponderEliminar
  7. sandra sallee01/03/11, 18:50

    Marisa ,
    Parabens !!!
    Texto lucido , correto , e que nos convoca a exercer nossa cidadania .
    Mas vamos ter que brigar muito com a prosmicuidade politica que nos cerca e com o desinteresse de 1 grande parte dos Brasileiros que sao promiscuidos com a ilusao do dinheiro que pensam que ganham , mas que perdem quando vendem a propria alma e o voto .

    ResponderEliminar
  8. Resta-nos manter a vigilância e denunciar de todas as formas possíveis e imaginárias os desmandos, falcatruas, ilegalidades e outras ações nocivas dos agentes do Estado. Certamente é um movimento lento, mas também é certo que este é crescente. Voce disse bem, somos uma democracia nova que espera seguir um rumo evolutivo, apesar de muitos dos seus opositores estarem hoje operando nos três Poderes da República.
    Temos uma árdua tarefa e um número ainda limitado de inconformados com os rumos da nossa democracia. Sinceramente, não visualiso um bom futuro a médio prazo. Resta-me a esperança de que o que aí está caia de maduro, embora deseje abreviar esse tempo de maturação.

    ResponderEliminar
  9. Marisa Cruz

    Você é um bálsamo de inteligência, boa vontade e civilidade a nos confortar e nos estimular na busca desse país com Educação que tantos almejam. Parabéns e continuaremos a tricotar desejos e sonhos.
    Luiz Emanuel

    ResponderEliminar
  10. Muito Bom, Marisa!

    Acho que perdemos as utopias, que eram saudaveis e impulssionavam as pessoas a correr atrás de sonhos, projetos.
    Perdemos a noção de limites, por causa da impunidade e da extrema omissão da grande massa.
    Perdemos a etíca, a a capacidade de nos indignar.
    Espero que os que não perderam grande parte dessas capacidades, acreditem que pequenas mudanças fazem o mundo se movimentar.
    beijos

    Chris

    ResponderEliminar
  11. Excelente texto Marisa, parabéns.

    ResponderEliminar
  12. Minha amiga, está coberta de razão, adorei o seu texto. A democracia tem que ser defendida a qualquer custo, o que acontece é que o Lulismo com seu populismo assistencialista anestesiou grande parte do povo brasileiro. Na verdade essa parcela da população sempre foi esquecida e jogada à sua própria sorte e agora se contentam com as bolsas favores, sem terem a noção que estão sendo usadas para propósito maior de interesse do grupo que está no poder e pretende mantê-lo por muito tempo. Nossa obrigação é denunciar os desmandos, a corrupção, os ataques à democracia e ao estado de direito, e acho que temos feito nossa parte. Lembra da história do beija-flor e o incêndio da floresta? Sigamos o exemplo e não desanimemos pois é o futuro que deixaremos para nossos filhos e netos que está em jogo. Estamos juntos.

    ResponderEliminar
  13. Infelizmente o rasil atual é formado por uma juventude que não está nem aí para as coisas que rolam nos bastidores da política.
    Atualmente a discussão política gira em torno de nomes e siglas e nunca de idéias.
    Temos esta geração alienada e maculada pelo marketing pesado dos meios de comunicação e internet, que se encontra tão massacrada pelas propagandas enganosas, que sequer procura raciocinar e pesquizar a história, optando por defender partidos e políticos de forma cega e fanática, como se torcessem pelos times de futebol,independente do caráter e da capacidade de cada qual, esquecendo-se do objetivo principal que se deve obter e exigir da política e dos políticos, que é o bem comum e o futuro de nossas gerações.
    O novelo está embolado e a cada dia fica mais difícil achar a ponta do fio.

    @DRLUIZAUGUSTO_

    ResponderEliminar
  14. Marisa

    Texto diz tudo, depende muito de nós os rumos de nosso país. Muito me entristece quando vejo o povo entrando em êxtase com o BBB, enquanto os políticos aprontam na nossa cabeça. Mas vamos lutar sempre.

    ResponderEliminar
  15. Ótima reflexão. Os "gatos" de plantão instalados nos poderes da República, embralhando o novelo da democracia, resultando em perdermos o fio da meada. É nossa responsabilidde encontrá-lo.

    ResponderEliminar
  16. O que dizer se já disseram tudo?
    Perfeito o seu texto e compartilho de suas palavras e mais que isso, dos seu ideais, bem como dos nossos amigos.
    Hoje vivemos um momento, que certamente será histórico, onde existe o acesso à informação e uma ferramenta para divulga-la e ainda, podemos demonstrar a nossa indignação.
    O desafio é achar a ponta do fio deste novelo e saber como tricotá-lo.
    Estamos despertando justamente no momento da maioridade da democracia.. precisamos apenas refletir em como usar esta informação e ferramenta que está em nossas mãos, em prol da herança que queremos deixar para os nossos filhos.

    ResponderEliminar
  17. Belo texto, Marisa. É isso aí. Sonho com o dia em que a Educação, a informação e a ética possibilitará o entendimento que ninguém veio a este mundo para se prestar ao pastoreio. Enquanto este dia não chega vamos tentando multiplicar os nossos esforços.

    Parabéns!

    Paula

    ResponderEliminar
  18. Marisa somos o novelo deste tricô...E são textos assim que ainda me dão forças para reagir e não aceitar.

    Beijos querida.

    ResponderEliminar