quarta-feira, 30 de março de 2011

MORTE, HIPOCRISIA E A CIVILIZAÇÃO


A hipocrisia é um dado civilizatório nas relações humanas? Nesse cotidiano massacrante, chego a crer que sim, doses de hipocrisia tornam-se necessárias. Podem ser úteis, para lidar com a chamada vida em sociedade. 

Uma das manifestações visíveis da hipocrisia surge na hora da morte. No mínimo, beatifica a pessoa comum. Se o defunto for "alguém", então ele passa de santo a herói. Em nossa diletante cultura tupiniquim, pega mal falar mal de morto. Em se tratando de político, como é o caso do passamento de José de Alencar, pega mal falar algumas verdades de sua biografia, e por isso, essa parte é ignorada. 

Em que pese a briga de Alencar pelas altas taxas de juros e o discurso solitário dentro do governo do Expirado, defendendo a urgência de uma reforma tributária de fato, as relações duvidosas da sua empresa, a Coteminas, ao importar tecido camuflado da China (sempre a China) para vender ao Exército Brasileiro, e sua recusa em esclarecer um possível caso de paternidade, justificando-se com ofensas à própria postulante, que pode vir a ser sua filha, não o transforma, ao meu modo de ver, em santo. Aliás, ele morreu para mim nesse episódio do reconhecimento da paternidade.

A batalha de 11 anos contra o câncer tem sido a tônica do discurso do "herói". É unanimidade declarar que a luta contra a doença, sem desistir da vida, é seu maior legado. Também é de bom tom afirmar que Alencar deixa essa lição para quem enfrenta a doença: "não desista, tente sempre". Convenhamos, é bem menos difícil lutar pela vida quando se tem o respaldo necessário para buscar, como foi o caso dele, até mesmo tratamentos experimentais nos Estados Unidos, e ser cuidado, no Brasil, pela melhor equipe de especialistas do Hospital Sírio-Libanês. 

A realidade, no Brasil transformado nestepaiz pelo desgoverno do qual ele fez parte por 8 anos e que segue agora, com a terceira versão dessa Idade das Trevas, é que o doente comum não consegue sequer uma cirurgia ortopédica. Mulheres grávidas não conseguem marcar ultrassom. E o tratamento de câncer, pelo SUS, é negligenciado pelas instituições que deveriam, por lei, atender a todos, sem exceção. O próprio desgoverno destepaiz promove cortes de recursos para tal tratamento, ao mesmo tempo em que lança programas bilionários de investimentos nisso e naquilo, mas que não passarão jamais da propaganda. Para esses que dependem do falido SUS, a "lição" e o "legado" de José de Alencar são espelhos difíceis de se mirar, e neles encontrar algum reflexo.

Cabe esclarecer que não condeno, ao contrário, defendo que Alencar e qualquer outro tenham o direito - e que bom seria todos com plenas condições financeiras - de buscar o melhor tratamento possível para seus males. O que não consigo deixar de lado, é associar o discurso politicamente correto de seu heroísmo ao heroísmo real de quem fica 12 horas esperando em uma emergência para ser atendido nos hospitais públicos, enquanto a propaganda eleitoral que deu a vitória à  sucessora do Expirado Looola afirmava que este tinha salvado o país, e que inclusive a saúde pública era perfeita, devido ao tal espetáculo de crescimento extraordinário por ele promovido. Hipocrisia versus hipocrisia.

Governos, assim como as pessoas, desfilam falsas virtudes. Desnudar a falsa moral das relações sociais seria um ato de selvageria, logo, precisamos dessa hipocrisia como valor moderador da realidade crua. Assim se formam mitos e heróis. E até santos. O pensamento já se tornou escravo dessa hipocrisia, em nome da civilização.

Tentar escapar, por pouco que seja, disso, é mal visto, mas vamos lá. Eu tento. Quem pensa livremente acaba por encontrar uma forma de mostrar sua distinção.

6 comentários:

  1. Concordo plenamente com cada linha escrita, amiga.
    Folgo em saber que assim como eu e mais alguns, pouquíssimos, meus amigos não estão de joelhos para este desgoverno imundo que afundou definitivamente a ética e o bom senso, talvez de maneira irremediável.
    O tempo dirá.
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Disse tudo o que precisava ser dito a respeito desse "heroi" fabricado por sequazes que ululam na imprensa brasileira.
    Parabéns!!!

    ResponderEliminar
  3. Off:

    No 5º parágrafo, um descuido: "excessão" em vez de "exceção".

    ResponderEliminar
  4. Escorreguei, Selma. Obrigada pela atenção! Jocas!

    ResponderEliminar
  5. Texto perfeito. Não entendo esta justiça, para Tim Maia exuma o corpo para Alencar não é obrigado a fazer exame de DNA. Pra mim ele já tinha morrido desde o início desta conduta. Ah! Pelé é outro que já fiz velório e enterro.
    É muito mais viável lutar contra um câncer quando tem os melhores médicos e recursos à sua disposição, com resposta e diagnósticos mais precisos. Difícil é ficar na fila do SUS, médico nem olhar pra sua cara e muito menos respostas precisas.
    Lutar sempre, inclusive contra hipocrisia.

    ResponderEliminar
  6. Caríssimo, por favor, repita seus comentários sobre a hipocrisia humana. Lendo e ouvindo comentários na mídia e entre políticos sobre a besta da Venezuela, confirmo o que sempre achei e que você tão bem expressou. O ser humano é hipócrita na hora da morte.

    ResponderEliminar