domingo, 10 de abril de 2011

E NÓS PENSAMOS: UM CRIME E MUITAS RESPONSABILIDADES


A dor coletiva causada pelo atentado suicida, na escola de Realengo, no Rio de Janeiro, deve ser catalizada, exigindo-se ações efetivas do desgoverno destepaiz.  Mas não se deve confundir as motivações individuais do suicida com as causas da insegurança pública. Aquele criminoso suicida decidiu individualmente assassinar vidas florescentes. Por isso, ele é o único culpado. 

Mas atentados suicidas como tal serão sempre uma possibilidade, ainda que a segurança pública seja perfeita. Não é o caso destepaiz.  Desde o início do ano, 13.192 pessoas foram assassinadas no Brasil. Enfim, segurança pública eficiente teria evitado o assassinato de muitas dessas 13.192 pessoas mortas, em 2011.

Dúvida original: quem surge primeiro, o homem assassino ou a arma de fogo utilizada num crime? O governo sério de uma democracia não desarma os homens de bem dos seus meios de defesa, enquanto não tira de circulação as amas ilegais. O governo sério de uma democracia não desarma os homens de bem dos seus meios de defesa, enquanto deixa solta a bandidagem. 


Arquivo: 

REALENGO: FICAMOS DE TESTA PARA A MALDADE

1 comentário:

  1. marcia190710/04/11, 19:11

    pois é, só depois que as nossas fronteiras estiverem patrulhadas, o contrabando de armas e drogas contido e os índices de homicídios em todos os estados, semelhantes ao de são paulo, só aí que o governo terá moral para começar a discutir desarmamento

    ResponderEliminar