quinta-feira, 7 de abril de 2011

REALENGO: FICAMOS DE TESTA PARA A MALDADE


Olhando a cobertura da imprensa sobre a brutal matança promovida por um louco assassino, vemos que já coletivizaram a culpa da tragédia, que é só do psicopata, dividindo-a com a sociedade "injusta", que o teria maltratado, não lhe dado "chances de ser alguém na vida": o discurso do coitadismo coletivo, tão ao gosto da esquerdopatia. Também não tardou a aparecer exortação pelo desarmamento. Como se uma arma matasse alguém, sozinha, sem que outro alguém lhe puxasse o gatilho.  Ou como se o bandido em questão tivesse comprado as armas em loja autorizada, registrado-as e tirado o devido porte.

O mal e o bem não existem, um sem o outro. Trata-se  apenas de escolhas.  Realengo, o Rio de Janeiro e o Brasil trombaram, na manhã de hoje, com a face do mal. Cara a cara com a maldade. Não é outra coisa, além do mal puro.

É o olho humano, a mente humana, a ação humana, movidos pela maldade. E o mal (assim como o bem) é valor individual, não é de uma sociedade. "A nossa natureza adora brincar de Deus." (Velvet)


Atentado suicida no Rio de Janeiro: homem invade escola, assassina várias crianças indefesas e fere dezenas de pessoas, depois se suicida.  A morte de cada uma dessas vítimas me diminui como ser humano.

A imprensa será invadida por "expertos", que declararão, sem pudor, que a culpa é da sociedade... 
Tais "expertos" afirmarão que a tragédia decorreu da falta de políticas sociais, saúde, educação, emprego etc. 

Enfim, os "expertos" e a imprensa excluirão qualquer culpa do criminoso, por sua escolha de assassinar e se suicidar. (BSchopenhauer)





1 comentário:

  1. Para mim é totalmente impossivel prever esse tipo de insanidade, nos EUA tentam, sem sucesso, então aqui teria ?
    A discussão é tal qual o desabafo de um camarada que acabou de tomar um belo par de chifres.
    As razões e a culpa, tem mais de mil. A verdade ? Será sepultada !

    ResponderEliminar