domingo, 22 de maio de 2011

CAI A NOITE


Provo desse licor inconfundível
Numa taça de pérolas bordada
Nenhum tonel em todo o Reno
Álcool assim terá!

Os longos dias do verão pisando
Das tavernas saí de azul em fogo
E pela brisa inebriada
Ao orvalho me dou

Bêbada a abelha para fora é posta
À porta de uma flor - a borboleta
Já renuncia a mais um trago
E eu ainda a beber!

Anjos agitam os chapéus de neve
E os santos todos à janela correm
Para me ver embriagada
Me escorando - no sol.

(Emily Dickinson)

Sem comentários:

Enviar um comentário