terça-feira, 17 de maio de 2011

O PRIVILEGIADO MONOPÓLIO DO PRECONCEITO


Diante da passividade do brasileiro, a revolução cultural esquedistamente correta que assombra o Brasil poder-se-á tornar inversível. Frase antiga da política brasileira, de homens e tempos simplórios: "Governar é abrir estradas." Frase progressista da atual política destepaiz: desgovernar é destruir as liberdades individuais, para tornar isonômicas as misérias. A miséria da vez é "privilégio" de determinar o que é "preconceito".

A militância esquerdistamente correta "luta por privilégios", por etapas de um processo contínuo. Cada etapa vencida gera uma reação da sociedade e, até mesmo, "agressividade" de grupos refratários. As reações adversas servem de justificativa para que a militância "lute por mais privilégios". 

A palavra "preconceito" tornou-se "arma de destruição em massa" dos esquerdistamente corretos, que escamoteiam-se atrás da falsa tolerância para eliminar as pessoas preconceituosas [ou para criar a ideia de que pessoas sejam preconceituosas]. Os onanistas dessa militância defendem o privilégio de usarem próprio preconceito para aniquilar o alheio. Tudo é apontado como "preconceito", nestepaiz que é uma espécie de ornitorrinco ideólogo-sexual: cruza onanistas esquerdistamente corretos com estado papai-mamãe, que em tudo se mete:

1 - O desgoverno esquerdistamente correto resolve se intrometer na calcinha e na cueca das pessoas, para se desviar do buraco da inflação. 
2 - Nestepaiz, educação de qualidade é caso perdido. Logo, o desgoverno passou a considerar todos "alfabetizados", desde o nascimento. Combinando os métodos revolucionários expostos por Gramasci e Orwell, a língua portuguesa será extinta, com os livros do MEC que ensinam o analfabetismo e estabelecem a #analfabetofobia. As incompatibilidades do MEC com a norma culta da língua portuguesa devem provir do "multiculturalismo": analfabetismo também é cultura.
3 - Imagine-se a nova gramática analfabetizante de livros didáticos aplicada à educação sexual que o desgoverno quer implantar nestepaiz. O afixo "hetero" será banido pela novilíngua esquerdistamente correta, para evitar qualquer forma de repressão. 
4 - Na novilíngua esquerdistamente correta, saúde é doença, doença é saúde, e vice-versa. Saúde é direito humano fundamental, nos termos da Constituição Federal. Quantos hospitais não seriam construídos no Brasil com aquele dinheiro doado ao Paraguai por causa de Itaipu?
5 - No Código Florestal: no governo do Expirado, então ministra, a hoje presidente não primava pela defesa do meio ambiente. Por que o radicalismo ambientalmente correto agora?

O desgoverno opera para criar a ilusão da igualdade, pela isonomia da miséria. A desigualdade é da natureza humana. O não reconhecimento disso justificou absurdos crimes contra a humanidade. 


Arquivo:

2 comentários:

  1. Dar a tudo que não conseguem consertar um rótulo de preconceito é a saída adotada pelo (des)governo desde a época do EX até hoje.

    ResponderEliminar
  2. agora vamos combinar que uma sociedade hipócrita e egocentrica como a nossa é um solo fértil para um politicamente correto exarcebado

    ResponderEliminar