sexta-feira, 3 de junho de 2011

CAI A NOITE



Quem de nós inventou o outro ?
Rosto furador de muralhas.

Tua cabeleira de laranjas no vazio do mundo
No vazio dos vitrais pesados de silêncio
E de sombra onde minhas mãos nuas buscam todos os teus reflexos.

A forma do teu coração é quimérica
E teu amor se assemelha a meu desejo perdido.
Ó suspiros de âmbar, sonhos, olhares.

Mas tu não estiveste sempre comigo. Minha memória
Ainda está obscurecida por tê-la visto chegar
E partir. O tempo se serve das palavras como o amor.

Fechei-me em meu amor, sonho.



(Paul Éluard)

Sem comentários:

Enviar um comentário