sábado, 11 de junho de 2011

CAI A NOITE



Manda-me uma lembrança, para que minha esperança viva,
Ou meus turvos pensamentos possam dormir e descansar.

Manda-me algum mel para adoçar a minha colmeia,
Para que na minha paixão o melhor possa esperar.

Não peço uma faixa tecida por tuas próprias mãos,
Para enlaçar nossos amores na teia da fantasia
De recém-desflorada juventude; nem anel para dar a medida
Da nossa afeição, igualmente clara e circular,
Pois nossos amores devem encontrar-se com simplicidade.

Não, nem os corais que envolvem o teu pulso,
Entrelaçados juntos, harmoniosamente,
A mostrar o entendimento de nossos pensamentos;

Não, nem o teu retrato, embora muito gracioso,
E ainda mais desejado, porque se atraem os iguais:

Nem versos espirituosos, já por demais copiosos
Nos escritos que me tens enviado.

Não me envies qualquer coisa para aumentar os meus bens,
Mas jura que acreditas que te amo, e nada mais.

John Donne


1 comentário:

  1. OMG se o sábado foi assim, nem ouso imaginar como será este domingo... (rs)

    ResponderEliminar