sexta-feira, 17 de junho de 2011

CAI A NOITE



Senhora buscai em meu corpo teu desejo louco,
sou homem não sou santo a ti abro meu manto
e se beberes na bruma da manhã desse prazer que não é pouco,
deitarei meu corpo em teu leito te causando espanto.

Em desalento, mesmo distante do legado em jeito,
faça de meu corpo tua moradia como febre em estadia,
lânguida, em minha pele com teus delírios me deito
e de belo agrado te aninho em meu pulsante peito.

Sou teu pecado não sejas mulher ternura,
na cama tuas vontades recebo como tua melhor criatura
e pecai...muito, por prazer não perdes a candura.

Faça da carne a música como escultura bêbada
e do poema um rio solto em direção ao revolto mar,
solte o leme da escuna, naufrague nas ondas desse lindo namorar.



(Douglas Mondo)

1 comentário:

  1. Tornou-se impossível para mim não vir aqui e ler o "Cai a Noite".
    Momento de lembrar, refletir e sonhar...
    Um poema melhor do que o outro!

    Parabéns sempre!

    ResponderEliminar