terça-feira, 7 de junho de 2011

CASA CIVIL: A CASA DO TIRO NO PÉ


Sai Palocci, que há muito capengava no cargo, entra Gleisi Hoffman, a senadora esposa do ministro Paulo Bernardo. Como seus antecessores, Erenice Guerra e Antônio Palocci, será que dura a mesma média, no cargo? Por volta de seis meses? Sei não. Sei que será bem fácil a nossa vida, porque a Gleisi não é conhecida por ser, digamos, competente. Muito menos por ser, digamos, um primor de educação.  Ela é um tipo de Ideli Salvatti: um grito à procura de uma ideia. Justiça seja feita à Gleisi,  numa estampa bem menos desagradável às vistas. 

Que ela não tenha ideias, nem gritos. Porque nem de longe, será uma Erenice, por tudo que Erenice representa para a presidente. Tampouco uma Palocci, por tudo que Palocci representa para o PT e para o Expirado. Será só um tampão. Sim, é isso que você pensou mesmo: como aqueles, conforme eram chamados nos tempos da vovó, para aqueles dias. Dias de hemorragia. E uma questão de tempo para sabermos qual será o seu tiro no pé.

Mas como eu sou uma lady, dou as boas-vindas à dona ministra. Composição do menestrel dazesquêrda destepaiz, Chico Ana de Holanda Buarque, na voz da Maria Bethania Antonieta Ana de Holanda Buarque da Blogosfera Patrocinada.

3 comentários:

  1. adorei o texto e estou rindo feito uma boba por que a música da bethânia me fez lembrar dos 3 porquinhos que me fez lembrar que só resta um...(rs)

    ResponderEliminar
  2. Se é de iniciar o bolão, pode por aí que o palpite do cacique é 15 de novembro mais ou menos uma semana (palpite de dotô engenheiro tem margem de erro - rs rs)

    ResponderEliminar
  3. Adorei o artigo com ótima trilha sonora! Me parece que "eles" querem mostrar que é um governo diferente, mas uma pessoa sem experiência política é presa fácil para os graúdos. E sai o monstro, entra a donzela... aff
    Vou nos 7 meses só para diferenciar...

    ResponderEliminar