sexta-feira, 24 de junho de 2011

COM QUANTOS GIGABYTES SE FAZ UMA CANOA?

Com quantos gigabytes se faz uma jangada?
(com a devida licença de Gil)

Você já ouviu falar da revolução do pão-de-queijo? A revolta, ocorrida em São Paulo, foi de estudantes do Colégio Marista Arquidiocesano contra o aumento geral de preços da cantina. Indignada com o que considerava um abuso, a meninada literalmente colocou a boca no mundo via Facebook (FB) e Twitter (TW) virando notícia. Eles combinaram, via Internet, que em determinado dia todos levassem lanche de casa e ninguém comprasse nada no colégio. Detalhe, os “revoltosos” tinham, em média, entre 12 e 14 anos.

Em Natal, o alvo era a prefeitura. E o debate sobre os problemas da cidade no FB e TW desaguou em manifestações pelas ruas e até mesmo em diversas paralisações. Foram tantas que se criou a tag RioGrevedoNorte que também ficou entre os trends mais acessados no TW, chamando a atenção de jornais de todo o país.

No Rio de Janeiro, as redes sociais foram fundamentais para o movimento dos Bombeiros. No começo, a imprensa se posicionou a favor do Governo e poucos parlamentares se importavam com o movimento. Mas conforme crescia o apoio popular a situação foi mudando e no final até Comissão de Deputados Federais de outros estados vieram ao Rio para se posicionarem a favor dos Bombeiros.

Além disso, o “tuitaço” (manifestações de tempo determinado com a criação de uma tag ) e o posicionamento de políticos através do TW estão ficando cada dia mais comuns. Esperta, a imprensa já percebeu e tem repórteres “dando plantão” no TW. O Globo e Folha de São Paulo dedicam espaços ao assunto, com até as “tuitadas” mais comentadas da semana.

Claro que nenhum destes exemplos teve para o país o mesmo impacto que a “primavera árabe” ou o “M-15” espanhol. No entanto a criançada paulista, os potiguares e os fluminenses deram o mesmo recado: os governos e as autoridades têm que criar mecanismos que respondam rapidamente à ansiedade popular que já não está aceitando velhas fórmulas. Caso contrário, cedo ou tarde, a sociedade dará resposta. Ou alguém acha que a geração dos alunos do Marista vai deixar barato? 

Mirtes Guimarães, jornalista mineiroca, traduz o cotidiano para o Veneno.

Arquivo:


(A foto é de um notebook Bentley: só foram produzidas 250 unidades, ao valor de U$ 20 mil cada. Aceito, sim, se quiser, alguma boa e rica alma, me presentear....rs)

4 comentários:

  1. Atakardiac24/06/11, 17:57

    Bem que podíamos seguir o exemplo da molecada e suspender o pagamento de IPVA. Ruas esburacadas, engarrafamentos todos os dias e os caras só passeando em resorts.
    Excelente matéria Mirtes, como sempre.

    ResponderEliminar
  2. JotaCe201024/06/11, 18:09

    Falling water day by day throw the hardest stone away.

    ResponderEliminar
  3. Sandra Sallee25/06/11, 00:24

    Mirtes ,
    Maravilha de post !
    Esse e o nosso sonho . Que a sociedade se movimente e que se posicione . A galera da sua geracao e da minha mudou os caminhos do Brasil . Saimos da ditadura militar e quase chegavamos a Democracia , se o desgoverno petista nao tivesse atrapalhado . Claro que o povo unido consegue derrotar os tiramos . Nao desanimemos !!!!!

    ResponderEliminar
  4. Ai amiga! Qdo será que nossos irmãos brasileiros se mobilizarão para colocar as coisas nos devidos lugares?

    Eu sonho com uma marcha do povo p/ apear do poder quem está lá por métodos e motivos escusos!

    Sonho c/ esse dia!Tenho fé que ainda verei isso!

    Delicioso seu comentário,como sempre!

    ResponderEliminar