sexta-feira, 15 de julho de 2011

CAI A NOITE

Façamos um trato esta noite -
não sejamos tão realistas.
Você geme e suspira, eu ouço
enquanto minha boca te explora como louco
flutuando em luas surrealistas.

Façamos um trato esta noite -
efêmera é esta carne que nos lacra.
O tempo pára enquanto te despes.
O mundo desaba quando te vestes.
Ama-me antes que o pudor te rasgue como faca.

Façamos um trato esta noite -
as lágrimas são cristais do coração.
Eu sinto o fel em teus lábios maculados.
Vejo o abismo de teus olhos mascarados
que se escondem atrás de tormentos vãos...

Façamos um trato esta noite -
não adianta fugir da própria vida!
Ainda temes a flor pelos espinhos.
Ainda crês que terminaremos sozinhos.
E o amor é não mais que uma mentira.

Façamos um trato esta noite -
prometo te convencer na quietude
que o amor ideal é ao desfolhar dos dias
a felicidade nublando nosso ódio
e ter consigo sempre esta virtude.

Anjo Hazel

1 comentário:

  1. Que lindo este poema!
    Para ler com calma e captar tudo o que ele diz nas entrelinhas.

    ResponderEliminar