segunda-feira, 18 de julho de 2011

CAI A NOITE


Tu, que és o melhor de mim
Quando viras de lado, e dormes
Carregas teu sonho, capaz de fazer-me todo o bem
Quando expressas no que me trazes, tuas palavras.
      Nada no teu sono desperdiças,
      Capaz que o destino se encarregue e execute teus desejos;
Em meu sono, ausente, incompleto de ti,
      Não há lamento, eu que a ti pertenço.
      Capaz que o destino arremate e consagre meu pensamento.
Eu que não sonho, apenas te ouço
Chamar-me do teu, pelo meu nome
Por tua boca, quase nunca dito, ouço-te ao longe, perto, dentro.
Tu, que fazes o melhor de mim
Ao acordares, refeito, feliz
Conta-me, tudo o que sonhaste;
      E acredites, que aí farei viagens rápidas,
      Porque trago, nos desejos nem sentidos, a tua rota, para mim.
Eu que não sonho, mas acordada, te ouço
Longe, perto, dentro,
      Tu, que tens o melhor de mim.

1 comentário:

  1. Quem nunca ficou olhando o amado dormir que atire a primeira pedra!
    Ai ai...

    ResponderEliminar