domingo, 31 de julho de 2011

CAI A NOITE


Eu te falo através do espaço
Dou a volta no tempo
Trago-te do remanso
Para a minha voz, que te descobre 
- e reconhece.

Eu te falo através da distância
Dou a volta no destino
Percorro-te em qualquer caminho
Para a tua boca que me descobre
- e reconhece.

Minha boca encontra o teu travesseiro
Nutre teu sono, e sonho, choro,
Quando sobre o meu corpo o teu
corpo descobre e desperta
- e reconhece.

Tu me despes de mim 
Tu te vestes de vida
Revelado no infinito, és, agora, novo.
Eu te arrasto do esquecimento.
E tu te vestes de vida.

2 comentários:

  1. Sabe aquela dorzinho no peito, de identificação, sei lá?
    Bateu aqui. E eu viajei. Lindo!!

    ResponderEliminar
  2. Para ler e lembrar, que é o que mais faço aqui...
    Parabéns, sempre!

    ResponderEliminar