terça-feira, 12 de julho de 2011

LI, GOSTEI, COPIEI E COLEI


O PT tomou de assalto o Estado brasileiro

Montanhas de dinheiro passaram pelas contas de Marcos Valério e pagaram todo tipo de serviço, desde campanhas eleitorais, passando por honorários de advogados, despesas com publicidade na campanha presidencial de 2002 e em campanhas para prefeito em 2004, aluguel de jatinhos, garotas de programas, charutos cubanos... Uma pornografia sem igual foi feita com dinheiro privado, segundo os quadrilheiros.

O relatório final da Polícia Federal, revelou que o dinheiro usado por Marcos Valério veio, sim, dos cofres públicos. Logo, a Estória de que o dinheiro era resultado de empréstimos contraídos em bancos caiu por terra. O mensalão existiu e contemplou várias vezes políticos do PT . Mas, e agora, o que será feito?

E, agora, como fica a posição do "Estadista Global" que nunca exerceu a função de presidente da República, Lula da Silva? Afinal, ele abençoou a farsa de caixa 2. Sustentou a mentira descarada e saiu do seu DESgoverno cantando em prosa e verso que iria desmontar a " farsa do Mensalão".
A Lei 1.079 ( Impeachment ) é do ano de 1950 e qualquer cidadão pode dar entrada na Câmara em um processo contra o presidente da República por crime de responsabilidade. A Lei, em questão, diz que é crime de responsabilidade subornar membros do Congresso Nacional. O Mensalão aconteceu nas coxias do Planalto e a oposição achou melhor criar CPIs.

Até as carpas do lago que cerca o Congresso sabem que as célebres CPIs nada mais são que uma novela mexicana: em cem dias temos a "mocinha", na caso o governo, a sangrar 24horas por novento e nove dias e no último capítulo, todos vivem felizes e contentes. É a modalidade em plástico da política espetáculo. Mas é o que há.

O Código Penal brasileiro dispõe no seu Art.288º que é crime contra a paz pública: "Associarem-se mais de três pessoas, em quadrilha ou bando, para o fim de cometer crimes".

José Dirceu, à época ministro da Casa Civil, foi o cérebro da camarilha que loteou a administração pública brasileira e passou a distribuir mesada a deputados. Seis anos depois, diante da Justiça dissimulada, sonsa e paliativa, o chefe do bando diz que as acusações feitas pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, são "meras ilações".O processo do Mensalão conta com 42 mil páginas, reunidas em mais de 200 volumes, com quase 600 depoimentos e um sem número de provas colhidas. Provas cabais.Trabalho desperdiçado, dinheiro público jogado na lata de lixo da Justiça farisaica da República das Bananas. Em agosto, 22 réus, inclusive o Chefe do bando, do pior escândalo da Era Lula estarão livres de uma das principais acusações: formação de quadrilha.

Nunca antes na história deste país, um governo foi capaz de produzir um escândalo tão cabeludo como o Mensalão petista. O chefe ( José Dirceu ) da camarilha bolchevique tomou de assalto o Estado brasileiro. Uma atitude de pirata, que chega, abusa, saqueia e foge.

Em suma, o Mensalão existiu mesmo, o palavroso Lula em nada será afetado e os quadrilheiros serão ilibados da acusação de formação de quadrilha . A lei existe para os moradores dos bairros sociais, para os maconheiros...Quando os bandidos fazem parte da [podre] classe política, a Constituição Federal 88 e o Código Penal brasileiro ficam no retrovisor do Estado democrático de Direito. A corrupção é irmã gêmea da impunidade.

Arquivo: 

Sem comentários:

Enviar um comentário