sábado, 23 de julho de 2011

TODA DITADURA MATA

(Da esquerda para a direita: o médico Áureo Ludovico de Paula e Faustão em modo ÃO)

Padrão de beleza: com tanta ditadura imposta nestepaiz demencial que se erigiu no lugar do Brasil, também há uma para isso. Ficou estabelecido que o padrão de beleza a ser perseguido, sob pena de ser patrulhado, é o da magreza total. Que ela seja conquistada a qualquer custo. E a qualquer preço. Para quem pode pagar, qualquer preço significa, quase sempre, custo financeiro elevado.

Há toda uma indústria por trás disso. Da moda, que simplesmente não confecciona modelos que caibam num ser humano normal, principalmente em se tratando de mulher brasileira, até cosméticos, dos Jequiti-classe D até La Prairie (dá uma googlada aí, quem nunca ouviu falar), passando por toda a sorte de crendices populares, até as dolosas charlatanices.

A mais perigosa dessas charlatanices, in my opinion, é a que envolve a medicina, por óbvio.  Médico, clínica, hospital, etc, remetem a cuidados com a saúde (desde que não seja SUS, porque este remete só à fabricação de cadáveres). É cuidado com a vida. Trata-se da vida. Mas também é a morte. Não faltam notícias de mortes e/ou deformações que vitimam, principalmente, as mulheres, em clínicas de cirurgia plástica. Nem preciso elencar, aqui. São Google na Causa pode ajudar: coloque lá "erro médico"+plástica e encontrará uma infinidade - com imagens - de relatos disso.

Nessa sexta-feira, dia 21, reportagem do Estadão On Line informa que o Conselho Federal de Medicina rejeitou incluir na lista dos procedimentos regulamentados, a cirurgia de redução de estômago criada pelo médico  Áureo Ludovico de Paula. Considerada experimental, a técnica promete curar a diabete. Tal técnica e seu criador, Ludovico, ficaram conhecidos após o apresentador Fausto Silva ter se submetido a ela, em junho de 2009. Faustão emagreceu. Mas não se tem notícias de que tenha curado a diabete. O mesmo ocorreu com o senador goiano Demóstenes Torres. O que se tem notícia, entretanto, mesmo com o sucesso visível no shape dos dois supracitados, assusta: uma série de pacientes submetidos à 'técnica', sofreu sequelas graves e irreversíveis, dentre elas, cegueira e perda de capacidade motora. O médico atua em Goiânia (GO), mas operou até mesmo no conceituado Albert Einstein, em São Paulo.

Em janeiro/2010, o Ministério Público Federal em Goiás protocolizou ação civil pública solicitando que a Justiça Federal declarasse a ilegalidade das cirurgias realizadas pelo médico Áureo Ludovico de Paula e a omissão do Conselho Regional de Medicina de Goiás "no cumprimento de sua missão institucional". O objetivo da medida era impedir que o procedimento cirúrgico experimental, consistente na interposição do íleo, fosse realizado em seres humanos sem a devida observância das normas de pesquisa. O Conselho Federal de Medicina é litisconsorte na ação civil pública ajuizada pelo MPF/GO. A medida foi acolhida pela Justiça Federal, que concedeu liminar, proibindo Áureo Ludovico de repetir o  procedimento cirúrgico experimental. 

Mais de 450 pacientes (o médico afirma que já beneficiou 700 doentes de diabetes, vai saber!) já se submeteram ao procedimento, mas aqui, faço uma inferência: se é experimental, são cobaias humanas. A questão é: os pacientes tinham essa informação? Sabiam que eram cobaias num experimento, e se submeteram a ele, conscientes disso? Há uma extensa lista de pacientes vitimados com diversos graus de sequelas, pela cirurgia.

Um dos casos mais graves é de Daliana Kristel Gonçalves CamargoA família pagou R$ 28 mil e ela foi submetida sem seu conhecimento à interposição de íleo, embora não fosse diabética. Hoje tem uma fístula (um buraco) no estômago que a impede de comer ou tomar líquidos. Daliana se alimenta por sonda e já passou por 17 operações para tentar recuperar as funções do estomago. O filho do casal de bispos da Igreja Renascer, Sônia e Estevam Hernandes, Felippe, também foi operado pela "técnica" de Áureo, em 2009, foi parar na UTI, em coma. Permanece internado, até hoje, sem previsão de recuperação. Há  casos contra o médico que tramitam em segredo de justiça.
Segundo os Procuradores da República que atuam no caso, Ailton Benedito e Léa Batista, “a vedação do citado método cirúrgico experimental – gastrectomia vertical com interposição de íleo – cumpre o que determina o ordenamento jurídico e, sobretudo, protege a saúde e a vida de pessoas, que poderiam ser feitas vítimas.” Tal atuação foi primordial para que o CFM, agora, optasse pela proibição da técnica. Há suspeitas de que o procedimento cirúrgico tenha causado a morte de pelo menos sete pacientesalém dos que sobreviveram com graves sequelas. 

Nos últimos 30 dias, duas sobrinhas minhas se submeteram à procedimentos cirúrgicos por motivos estéticos. Ambas na faixa dos 30 anos. Uma, fez redução de estômago. Era um caso que se justificava. Muito acima do peso, fez acompanhamento médico, nutricional e psicológico por cerca de dois anos, antes de se decidir pela cirurgia. Há um histórico expressivo, na família dela (ambas são minhas "sobrinhas tortas") de diabetes e graves problemas cardíacos. Já a segunda, fez lipoaspiração e plástica abdominal. É linda, assim como a primeira! Mas, acima do peso por indisciplina, perdeu 10 kilos com dieta e resolveu se submeter à plástica. Graças a Deus, tudo correu muito bem. Ambas são privilegiadas porque, infelizmente, esse sucesso pode até ser considerado como exceção.

2 comentários:

  1. Esse é o Brasil onde o0utro dia ouvi uma mulher do estilo "gostosa" dizer que tinha que emagrecer uns 10 quilos para ficar com um corpo "social".
    Essa ditadura transforma as pessoas em cadáveres ambulantes, magérrimas com cara de doentes, mas Socialmente aceitas.

    ResponderEliminar
  2. eu acho que esta ditadura só funciona em quem se deixa influenciar. e infelizmente,parece que a maioria assim age.

    ResponderEliminar