sábado, 27 de agosto de 2011

CAI A NOITE


Trouxe as mãos
descruzadas no peito
Cheio de fé e alegria;
Meu professor de infinito
É como a água
Do céu vem e ao céu retorna
Paira sobre mim
E vai.

Trouxe a serenidade
Materializada na face
Sorrisos lotados de certezas
Embarcados de suavidade e força.
Meu semeador de espíritos
É como as asas
Continuam pairando sobre mim
Vapores de seu cheiro
Promessas de seu sabor
E fica. 


Trouxe as marcas
riscando de dourado sua íris
impossíveis de imobilizar;
Ele me olha, e me vê
Sente, traduz e gosta.
Alimenta-se de minha fome
Meu guardião de alma
É como a sede
Continua inaplacável em minha boca
Escrava de sua fonte

E me possui.

1 comentário: