domingo, 28 de agosto de 2011

O APARELHAMENTO DA ARQUIBANCADA

(Photo: Portal Terra)

Domingo de clássicos na rodada do Brasileirão, determinada propositalmente pelo calendário: a CBF programou os maiores clássicos regionais, os de maior rivalidade, para a última rodada da primeira fase, neste fim de semana. Aconteceram alguns jogos ontem, sábado, mas a imensa maioria ocorre mesmo na tarde deste domingo. Atentos a isso, os torcedores de quase todos os times, através da Confederação Nacional das Torcidas Organizadas (organização fundada há cerca de um ano para unir as torcidas e cobrar o que julga ser melhorias para o futebol brasileiro, sob o ponto de vista do torcedor) promovem um super-protesto contra Ricardo Teixeira, presidente da CBF desde 1989, cuja administração é alvo, não só do torcedor, como também dos órgãos de fiscalização competentes. 

Torcidas rivais, por todo o Brasil, unir-se-ão, erguendo faixas com a frase "Copa com prestação de contas e sem Ricardo Teixeira". A manifestação cobra organização da Copa do Mundo 2014 - #Cópula2014 - com prestação de contas à sociedade e transparência na CBF. 

Não tardou para que as federações, nos estados, tomassem iniciativas com o intuito de proibir a manifestação dos torcedores nos estádios. Em Santa Catarina, a federação emitiu nota oficial ressaltando que qualquer manifestação "implicará a impossibilidade de ingresso do torcedor ao recinto esportivo, ou, se for o caso, o seu afastamento imediato do recinto”. 

Mediante isso, o Ministério Público Federal de Santa Catarina, através de atuação do procurador Mário Sérgio Ghannagé Barbosa, de Joinvile, entrou com uma ação civil pública para que a justiça conceda uma liminar contra a medida da federação catarinense. "É censura, não há respaldo legal. É uma determinação abusiva que ressucita a ditadura no estado de Santa Catarina. Ela fere a democracia e o direito de exercer a crítica. Chega a ser tragicômico." sentenciou o procurador, que promete ações mais duras, caso algum torcedor seja prejudicado.

Ora, estamos diante de um futebol 'de quatro' para a política de censura e o arbítrio, típicas ações do estado totalitário? É o que parece, aliás, é o que se apresenta. Abri essa discussão no Facebook, num dos grupos do qual faço parte, Faceguistas. Como não poderia deixar de ser, é um grupo de "flamenguistas fanáticos no Facebook". Muitos internautas se interessaram, e a impressão geral é que a brilhante atuação do procurador Mário Sérgio, de SC, caso tivesse chegado aos outros estados, poderia ter desencadeado uma série de medidas idênticas, o que seria justo. Isso não ocorreu. As federações, em todos os estados, pelo que os internautas comentaram, deixaram a ordem de barrar torcedores com faixas. E que as polícias estão de prontidão, com sério risco de confronto.

Impossível separar a política do futebol. Impossível, até mesmo porque, cartolagem é política, e a politica da CBF é a mais parecida com a do desgoverno das Trevas do que pode imaginar nossa vã filosofia: não fosse por tudo o que tem motivado as investigações, só o fato de estar, desde 1989 no comando da entidade, bastaria para configurar bem uma "ditadura" e tudo do que pior ela significa: tanto poder, por tanto tempo, na mão de uma só pessoa, se não for uma porta para irregularidades, não sei o que seria, então. 

Destarte, Impossível separar, portanto, a boa atuação do procurador catarinense, da política de falta de divulgação da mesma. Por conta de tudo e qualquer coisa, quão comum não é vermos internautas, principalmente, clamando por "cadê o MPF?" e etc. Pois quando o MPF atua de forma republicana - como é sua obrigação - não há repercussão, simplesmente porque não se trata de uma atuação ideológica.

Se fosse esta, em desfavor da decisão da Federação Catarinense de Futebol, uma típica ação esquerdista do MPF, o povo desses grupos estaria em chamas, e já teria tratado de esbravejá-la aos quatro ventos, por todo o tempo do mundo. Não sendo a ação esquerdista, a falta de repercussão positiva significa genuflexão voluntária ao esquerdismo, do próprio MPF. Sim. Afirmo sem temor de errar. Acompanho muito de perto, diariamente, as notícias do MPF - que todos deveriam fazer - e não encontrei, nos meios de divulgação oficiais do órgão, nenhuma notícia sobre isso. Veja aqui a página de "todas as notícias do MPF" do dia 26, sexta-feira, data da recomendação expedida pelo procurador Mário Sérgio. Nao há referência. Eu só soube, ontem à tarde, depois que BSchopenhauer me contou estar lendo sobre isso no Blog do Juca Kfouri. O perfil oficial do MPF em Santa Catarina (@MPF_SC) só divulgou a ação na tarde de ontem, depois de já ter sido noticiada por alguns sites específicos sobre esporte.

Como BSchopenhauer também me disse, em síntese: as galinhas esquerdistas cantam sobe o ovo alheio, enquanto o sugam. Enquanto os urutaus escondem-se dos próprios ovos, deixando-os sugar pelos esquerdistas. É o aparelhamento das instituições, todas, sejam elas de "diversão" privada, como é essa que se perfaz como nossa maior paixão, o futebol, até qualquer instância pública dos entes governamentais. E, in my opinion, pior do que o aparelhamento, está a doutrinação. 

Neste caso voltado ao futebol, assim como na política, obviamente, em nome da democracia, o homem de bem precisa valorizar o MPF. Mas as excelências que atuam nas procuradorias pelo país afora que não me desculpem - porque o que tenho a dizer, digo e assumo e não dependo da complacência de ninguém - mas esta valorização precisa começar por vocês próprios. O problema é que homem de bem encara o trabalho do MPF como mero cumprimento de dever (o que é verdade), enquanto os esquerdistas julgam o mesmo trabalho a partir da ação política. Que os homens de bem do MPF - os procuradores que sei que não são levados pela doutrina político-partidária em primeiro lugar - não temam usar, a favor da lei que defendem, de seus preceitos constitucionais e da obrigação que bem cumprem, a boa capitalização das notícias, da forma como os comunistas, travestidos de socialistas e ou quaisquer outra doutrinação dazesquerda que grassa como a imensa maioria do Ministério Público Federal, fazem muito bem. 

Não basta, senhores de bem do MPF, que façam seu trabalho com rigor e competência. É preciso rigor competente em divulgá-lo. A atuação do jovem procurador Mário Sérgio, por extremamente correta, teve pouca divulgação. Quantos estados, hoje, enviarão sua força policial com o objetivo de reprimir as manifestações de protesto contra a administração de Ricardo Teixeira na CBF? Quantos confrontos pode haver por todo o país? E quanto disso seria evitado caso houvesse maior divulgação dessa bela atuação do coxudo (como se diz no Sul) Mário Sérgio?

Repito: o homem de bem precisa valorizar o MPF. Mas isso deve ser um sentimento da própria instituição, que NÃO SABE SE COMUNICAR com a população. Tal "talento", parece monopólio dos procuradores esquerdistas, que fazem alarde escandaloso de qualquer coisa, e contam com os grupos dazesquerda como suas caixas de ressonância. A consequência disso é que esses senhores doutrinados reduzem a instituição à mero quintal de suas militâncias.

Resta-me torcer. Como pessoa (destesto usar "cidadã", um vício da novilíngua que nos é imposta), impostuinte, crítica do mundo e cínica de mim mesma, que a tão defendida "liberdade de expressão" encontre respaldo de se manifestar, pacífica e livremente, nas arquibancadas dos estádios Brasil afora, numa rara oportunidade de vermos torcidas rivais unidas com um - justo - objetivo. E como torcedora, dos meus times queridos, Clube de Regatas Flamengo e Cruzeiro Esporte Clube, que vençam seus clássicos. E eu, que vença a aposta com meu sócio-parceiro, sofredor torcedor do Clube Atlético Mineiro.

Bom domingo de futebol a todos. E bons protestos, torcedores!

6 comentários:

  1. Ouvinte diária de debates esportivos, nada ouvir sobre ação semelhante dos cartolas cariocas. Os debatedores criticaram sim e muito a decisão da federação catarinense.
    A assessoria de imprensa do MP de Santa Catarina, se é que existe, pisou na bola feio.No mais, só para não perder a viagem: fora Ricardo Teixeira...

    ResponderEliminar
  2. Não fosse o Veneno Veludo, não saberia desta imbecíl, injusta, infeliz, autoritária e flagrantemente inconstitucional medida das Federações estaduais de futebol e da pronta intervenção do procurador público catarinense.
    Equivocadamente, no mínimo, se utilizaram do Estatudo do Torcedor, artigo 13-A, que expressa: “São condições de acesso e permanência do torcedor no recinto esportivo sem prejuízo de outras condições previstas em lei” (...) IV - “não portar ou ostentar cartazes, bandeiras, símbolos ou outros sinais com mensagens ofensivas, inclusive de caráter racista ou xenofóbico”. Ora, vão plantar batatas!
    Fora Ricardo Teixeira!
    Mais um excelente texto, #mineirinha. Aliás, voce só tem um defeito, o mesmo da Marcia1907.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  3. Enrolado com uma encrenca profissional das boas nesse fim de semana nem pude passar por aqui...Corrijo agora.
    Esse movimento contra Rickie Trickie vem rolando há um bom tempo, organizado pelo TT e FB. Tomo força quando jornalistas e comentaristas principalmente os da ESPN começaram a "fazer comentários" nas resenhas e mesas redondas. As torcidas organizadas compraram a idéia e programaram para fazer o rebu nesse domingo, na rodada dos clássicos Brasil afora.
    Foi quando o glorioso Adriano (acho que é esse nome do predidente da FCF) proibiu nos estádios de SC. Claro que a coisa muitiplicou por 1000... Eu não vi porque estava trabalhando, mas na CBN em todo país se comentava que o que tinha de cartaz era brincadeira.
    A núvem tem força. Só é preciso usar.

    ResponderEliminar
  4. Sergio M...29/08/11, 15:59

    Você diz "E, in my opinion, pior do que o aparelhamento, está a doutrinação.". Infelizmente, doutrinação e aparelhamento são irmãos gêmeos siameses. Onde esta' um, esta' outro.

    ResponderEliminar
  5. Começo a suspeitar que muitas vezes as primeiras tentativas de implantar-se um estado totalitário de um corpo de governantes larápio e rapineiros inicie por medidas simplesmente ridículas.

    ResponderEliminar
  6. Numas cidades o cidadão de bem fica proibido de usar celulares dentro de bancos, numa séria afronta à Constituição Federal e ninguém nada diz; os sucessivos governos e seus agentes socialistas tentam, vez após outra, calar a imprensa e a massa acéfala faz de conta que isso não lhe interessa; desportistas só podem falar aos microfones se forem para elogiar seus diretores ou sofrem censuras e punições de seus clubes, de suas federações ou da Confederação a que estiverem ligados. Do COB e de seu ditadorzinho, Nuzman, então, nem pensar. Agora vêm ordens contra as torcidas organizadas, que não são lá muito bons exemplos de bons rapazes. Conivente com esse viés autoritário, imprensa e instituições calam-se, mas não param de revanchismo contra a ditadura militar. Rabo preso é um dos males do Brasil.

    ResponderEliminar