terça-feira, 9 de agosto de 2011

O BOM DESGOVERNO LADRÃO E O BURACO NA PAREDE

"Os bons ladrões se ocupam de duas ordens: punir os pequenos roubos nos maus ladrões 
e praticar eles próprios grandes roubos."  (BSchopenhauer)
Harry Longabaugh (Sundance Kid), Ben "The Tall Texan" Kilpatrick, Robert Leroy Parker (Butch Cassidy) sentados; de pé: Will Carver & Harvey Logan (Kid Curry). Foto de 1901. 
O Bando do Buraco na Parede foi uma formação de bandidos que anos 1890-1910 roubavam bancos, comboios, carruagens, cavalos e gado e trens nos Estados Unidos. Era chefiado por Butch Cassidy e seu amigo Sundance Kid. Sim, esses mesmos, imortalizados no cinema, em 1969, por Paul Newman e Robert Redford. 

Com o dinheiro dos assaltos, Butch comprou uma fazenda perto de Dubois,
 Wyoming. Este local é próximo ao famoso Hole-in-the-Wall, (Buraco na Parede) uma formação geológica natural que possibilitava proteção e um esconderijo perfeito, levantando, por isso, a suspeita de que a sua fazenda nunca foi bem sucedida economicamente, tendo sido na realidade, uma fachada para esconder as suas atividades clandestinas.

Ao serem caçados por todo o país, Butch e Sundance resolvem ir para a América do Sul, juntamente com Etta, a namorada de Sundance. Depois de uma temporada na Argentina, rumaram para a Bolívia. Sempre praticando crimes. 

A equipe ministerial do desgoverno das Trevas III me lembra muito uma quadrilha criminosa organizada, onde todos "perderam a modéstia" para cometer seus assaltos, roubos e furtos, armados de canetas e armando relações promíscuas com empresas, lobistas e que tais. Claro, resguardada a enorme diferença que, ao contrário do Bando do Buraco na Parede, não têm elegância, glamour e na remota hipótese de sua história virar um filme, não há nenhum, dentre os bandidões, que tenha o charme de Newman e Redford.
A sucessão de denúncias de irregularidades cometidas com o dinheiro público para fins privados (de seus próprios bolsos) é tamanha que não dá tempo sequer de se aguardar a próxima revista semanal, na expectativa que traga algo de novo sobre tais "eventos" de corrupção. Aliás, nada prova mais que o desgoverno das Trevas defende preceitos democráticos do que a corrupção: dá em todos, de forma equanimente distribuída, seja PT, PR, PCdoB, PDT com seus sindicatos, PMDB,  etc. 

Nem chegaram a esfriar os escândalos do Ministério da Agricultura, que por sua vez sucedeu o dos Transportes, que sucedeu a Casa Civil by Palocci, e a Polícia Federal brinda a nação, na manhã dessa terça-feira, 9, com a Operação Voucher, cumprindo mandatos de prisão e busca e apreensão "em desfavor" do Ministério do Turismo. Aquele, do ministro das verbas públicas e o motel, o maranhense e sarneysista confesso Pedro Novais. As ligações dessa operação com o de cujus do bigode não param por aí: investiga justamente suspeitas de uso indevido de recursos do ministério no Amapá, estado que o elegeu senador. 


Corrupção no desgoverno das Trevas não é endemia. Nem epidemia. É genética. Mitocondrial. Engendrada, intestinamente, em todos os seus recônditos. Não há parecer de procurador-geral da República, ignorando "indícios de enriquecimento ilícito" que seja, ou declarações de dona presidente da sua "total confiança" que sejam capazes de isentar o PT e seus aliados-penduricalhos de tantos desmandos. Tudo herança maldita do desgoverno I e II do Expirado. Conforme bem ressaltou, recentemente, BSchopenhauer, "o mal somente se origina do mal. Portanto, o desgoverno da Idade das Trevas III tem sua fonte no desgoverno da Idade das Trevas I e II." 

Mas a herança maldita do Expirado, a propósito do talento para a corrupção generalizada, é também sua expiação: "eu não sabia". Looola, o Inimputável, imortalizou e "abriu jurisprudência". Sistematizou. Cimentou o ensinamento em toda sua horda de seguidores. Todos aqueles que não são os pequenos ladrões dos pequenos roubos, sacam do "eu não sabia" e tudo fica como dantes. E todos ficam felizes, com a probidade ética de grande estatura de dona presidente, exultada pela mídia genuflexa como A Grande Faxineira da Honestidade e Responsabilidade Infinitas.

Em uma nação civilizada, onde há respeito às leis e aos princípios da verdadeira Democracia, apenas a suspeita de irregularidades no governo já teria derrubado seus membros. Mas não cá, nessas nossas terras morenas de Tupinicópolis. Que, a propósito, deve mudar o nome para CorruPTópolis, estepaiz que o PT erigiu no lugar do Brasil. 

Caso houvesse punição verdadeira e efetiva, os maus ladrões destepaiz poderiam se abrigar, assim como os bons ladrões do Bando do Buraco na Parede, na Bolívia. Boas relações cocaleiras, Amorim, o ministro da (in)Defesa, pode, antecipadamente, garantir.

Arquivo: 

3 comentários:

  1. Jorge @atakardiac09/08/11, 16:48

    Do meu prisma demodê de fé socialista, que vi sussupiada para dar fachada a essa quadrilha das quadrilhas, o que já indica a corrupção da alma de seus mentores vejo que: enterraram a possibilidade socialista tornando-a sinônimo de corrupção.

    Já a possibilidade capitalista foi enterrada décadas atrás quando decidiram estatizar tudo. Consequência direta é que até o mais empedernido coroné da UDR rola dívidas no BB a espera de uma anistiazinha estatizante de dívidas. Industrial, empresário ou algo que o valha sem recursos de BNDES, Caixa ou BB é avis rara, talvez extinta. Capitalista no Brasil só o Joaquim do botequim. Café, cachaça, ovo cozido e cigarro a varejo é lucro certo.

    Acabamos em um sistema onde o estado substitui o mercado na seleção dos melhores. Seleciona os maleáveis. O capitalismo foi incorporado ao estado e o seus seviços sob iminente falência fica terceirizado nas ONGs dos ex detentos, órfãos, aidéticos, miseráveis, sem casa, sem terra, e sem nada. O socialismo acabou terceirizado.

    Sem corruptos nas cadeias por conta de uma justiça mais que falida e afogada em decadente luxo e ócio improdutivo o país chegou ao seu termo e precisa ser refeito. Só não me perguntem por quem. Só sei que aqui os sinos de todos os dias às 18 dobram por brasileiros que viram uma idéia de pais se finar. E badalam infindavelmente todos os dias esse fim.

    ResponderEliminar
  2. Primeiro que tudo, grato pela aula de história. Fazia tempo que não lia e de muita coisa nem recordava.
    A similaridade é perfeita entre as quadrilhas, claro que sem o glamour. Excelente.

    ResponderEliminar
  3. Gente, isso prova que é fato neste mundo nada se cria, tudo se copia, inclusive o mal.
    Obrigada amiga pela profunda aula de história.
    Indiacui

    ResponderEliminar