sábado, 10 de setembro de 2011

11/9 UM ESQUERDISTA ENTERRADO NAS CINZAS


Por Denilson Luiz Cicote

Havia trabalhado boa parte da noite de segunda para terça feira, e na época trabalhar a noite queria dizer que estive em minha sala, com o computador, alguns amigos e uma grande quantidade de álcool. Claro, pedíamos pizza e entre um gole e outro escrevia algo de acordo com que me falavam. Era assim que fazia para diagramar e escrever matérias para o jornal de guerrilha . Ainda me sobrava uns poucos sonhos e a fé estúpida que valia a pena lutar, que a esquerda era boa e humanista e que eu realizava um trabalho sério. Trabalhava então em um sindicato, dividido, em luta com outro maior. Na minha cabeça anárquica ainda existia uma única chance de construir algo verdadeiro no meio politico e sindical da esquerda. Idiota que fui (sou) ainda sonhava.

De manhã, já cansado e com sono, resolvi voltar pra casa. Afinal, deixei minha cama quentinha e minha esposa idem sozinhas a noite toda. Peguei o trem na estação de Santo André, no ABC Paulista, até a cidade de Ribeirão Pires, onde morava, então. Ao descer, já havia um clima estranho; pessoas que via todos os dias estavam se amontoando nos comércios onde haviam TVs. Gelei a espinha: a última vez que vi isso foi no plano do caçador de marajás, o Collor de Melo e sua única bala na agulha que havia acertado no traseiro do povo.

Todo mundo hipnotizado, de olhos fixos, e quando entrei o segundo avião se chocava com as Torres. Minha primeira reação foi de incredulidade. Perguntei onde era aquilo e me disseram o inacreditável: NY. No World Trade Center, as torres gêmeas. O pouco antiamericanismo que havia sobrado dos meus anos de petista sumiu de repente. ao fundo um notório petralha da cidade praticamente tinha orgasmos, dizendo que foi bem-merecido, bem feito, da mesma forma que eu havia visto durante o enterro de Tancredo, quando o caixão passou em frente à Assembléia.

Fui pra casa abatido, e passei o resto do dia assistindo aquilo, com a cabeça da minha esposa nos ombros e nos perguntando quantas pessoas haviam morrido, se havia berçário no prédio, se haviam idosos, e admirados pela coragem e pela proporção do sacrifício épico dos bombeiros, que ao invés de correrem das chamas e destroços, corriam para eles. Depois fiquei sabendo que muitos se despediam antes de entrar, sabendo que poderiam jamais ver de novo o amigo.

O que havia sobrado do meu esquerdismo tosco e estúpido morria nas cinzas daquele triste 11 de setembro. Foi a única morte boa.

Denis_cote que escreve sobre humor e política na medida certa, é co-autor do blog Verbo e Paixão, e não sei se está clandestino no Veneno Veludo, sem que sua sócia, a Sonia, saiba.

Arquivo:

12 comentários:

  1. Todos morremos um pouco a cada dia, renovados na alma estamos a cada amanhecer.
    Parabéns, Denis!

    ResponderEliminar
  2. Querida Regina.

    Uma honra aparecer aqui no Veneno Veludo, onde escrevi meu primeiro texto como tuiteiro.Tenho orgulho de fazer parte desta história, e saber que também tenho lá meu tanto de veneno, hehee.
    E ao meu querido Barrenna, muito obrigado pelas palavras. Morremos, mas renascemos melhores

    ResponderEliminar
  3. Denis lembrou bem este lado "desumano" do 11/09 quando os únicos a celebrarem a tragédia foram os petistas, os palestinos e os radicais de esquerda. Como dizia minha velha mãe, que a terra lhes seja leve.

    ResponderEliminar
  4. Caro amigo, só os imbecis tem certezas. Nós os normais, formamos nossas convicções à medida que somos expostos aos fatos. Nunca fui petista, sempre tive pavor a qualquer coisa que me pregasse ditadura como sendo algo bom. Mas aquele dia, algo em mim mudou. Deixei de ser uma humanista radical. Quem fez aquilo de direita ou esquerda, era tão mal, mas tão mal, que não tinha lugar na humanidade. Às vezes acho que precisamos de um certa vingança, já que aquelas mortes jamais farão sentido. Mas saber que Bin Laden estava morto, me deu um tremendo alívio. As famílias do 11/09 finalmente teriam um desfecho, para um pesadelo, que durou quase 10 anos.

    ResponderEliminar
  5. Para se escrever sobre a estupidez humana nunca encontramos palavras no dicionário, mas sempre acabamos arquivando-a sobre uma anterior que julgavamos ser o "limite máximo".
    Que não tenhamos, pelo menos,que nos espantar mais do que dessa vez.

    Um abraço Denis

    ResponderEliminar
  6. Queridos Denis e Regina

    Se há alguem neste século XXI que festeja a morte de Seres Humanos por ideais políticos retrógados é porque continua vivendo no ranço dos séculos passados.

    Parabens a todos que desabrocharam para a Vida!!!!!!!

    Marisa Cruz

    ResponderEliminar
  7. A história da humanidade vem marcada por tragédias desta forma, o homem é o pior inimigo dele mesmo. Religião, disputa, poder, território, economia e supremacia...São as desculpas usadas por aqueles que cometem tais atrocidades...
    Nos dias de hoje estamos assistindo inertes a dizimação de um povo, a projeção de que 750 milhões de pessoas irão morrer de fome é quase tão brutal como os aviões jogados no WTC...
    Parabéns pelo texto querido.
    Ah por incrível que pareça eu estava dentro de um avião quando ocorreu esta bárbarie.

    ResponderEliminar
  8. O que comentar: o arrepio, os olhos marejados ou o coração apertado?

    ResponderEliminar
  9. Caros Amigos(ops, isso é nome de revista do PT, desculpem)

    Eu e a regina ficamos profundamente agradecidos pela visitas e palavras. Eu mais que ela, pois ela já esta acostumada aos constantes aplusos, a regina é mara, hehehe.
    Como diria o maradona, do cigarro as cinzas, do pó ao pó....

    ResponderEliminar
  10. FATIMASSAURO10/09/11, 18:47

    Denis, que coisa linda, mostra como morremos a cada dia, e vamos amadurecendo nossas idéias. O que acreditávamos antes, não é o que temos fé hoje. eu fui uma militante petista e a medida que participava percebia que não era a ideologia que eles pregavam não eram exatamente as seguidas na pratica.
    Você esta de parabéns por admitir isso.
    Maravilhoso o que escreveu.

    ResponderEliminar
  11. Jorge @atakardiac10/09/11, 19:18

    Esquerdistas que viram razões para comemorar 11/09 são toscos mesmo. Ideologias já não nos servem quando valores morais básicos não são respeitados. É inútil evocá-las para justificar atrocidades em NY, Dafur, Sabra e Chatila, Hiroshima, Auschwitz, Camboja, Coréia ...

    Tomamos (o ocidente) o caminho errado e espero que 11/09 e agora essa megarecessão que assola o ocidente por pura ganância do sistema financeiro nos faça refletir sobre valores, como vc fez corajosamente quanto ao que identificava como o esquerdismo que trazia em si.

    ResponderEliminar
  12. Não foi pois uma morte e sim uma ressurreição para a nova vida.

    ResponderEliminar