sexta-feira, 7 de outubro de 2011

CAI A NOITE


Parti perdida para sempre
Naquela hora em que a cidade se cansa
Melancólica, pálida e enfumaçada hora
Nada vendo de novo nos olhos de ninguém
Nada sendo possível saber imprescindível.
Parti eu cansada naquela hora 
De sol exaurido sem brilho
De lua envergonhada, insegura escondida
Nada em vida de alguém na vida.
Olho do alto do gelo 
Para ao gelo me arremessar.
Longe, só, em silêncio.

3 comentários:

  1. Regina
    Estou partindo (e nunca chegando) exatamente neste mood, há ages...
    Um dia passa.
    Bjs!

    ResponderEliminar
  2. Minha Nossa...você deu uma dimensão muito interessante de um momento que a gente sente uma solidão tenaz

    ResponderEliminar
  3. Gostaria de saber o imprescindível para dizê-lo ou mostrá-lo a você. Mas apenas sei que ele existe.

    ResponderEliminar