quarta-feira, 12 de outubro de 2011

CAI A NOITE


Há sobra de ternura pelo meio
Quando para mim escreves
Farrapos de nuvens carregam como asas
Palavras que chegam transportadas de sorrisos.
Nota de limpidez em plenitude 

                     [de sinceridade
Conjunto de letras que formas
Expressão de tudo que em silêncio
Te segreda o teu coração.
Nota rara de melodia só tua
Doada para meu deleite.
Pura sinfonia que quando vem
Dá-me sempre um pouco mais 
Sem fama Sem drama, sem horário 
                            [sem validade.
Recompensa que me ofereces sem medo
Júbilo de um gesto voluntário. 

Palavras me tocam. Te tocam. 
Palavras que tocam. Com sobras de ternura 
                                            [pelo meio.

Sem comentários:

Enviar um comentário