domingo, 16 de outubro de 2011

HABEAS VERITATIS x HABEAS ILLUSIONEM


Há uma “guerra de valores” que assola e devasta o Brasil? 

Existem momentos em que chego a duvidar, à medida que pressuponho uma guerra configurando-se pela confrontação ativa entre, ao menos, dois lados antagônicos. Todavia, nestepaiz, em que se toma de assalto o lugar do Brasil, há décadas, experimenta-se, de fato, uma “guerra assimétrica”: imposição ativa, sistemática, sectária, de valores esquerdistas contra a submissão passiva da maioria da sociedade conservadora.

Assume feição de “guerra assimétrica”,  na qual os valores esquerdistas – a morte, o progressismo, o estatismo, a propriedade estatal, a igualdade, o ateísmo – , embora ainda não sejam prevalecentes no seio da grande maioria da sociedade conservadora – aquela conformada por homens que valorizam e respeitam a  vida, a tradição, a família, a propriedade privada, a liberdade individual, a religião etc. –  alicerçam profundamente grupos sociais numericamente minoritários, porém dominadores  dos instrumentos de difusão e imposição daqueles valores do esquerdismo. 

De um lado, ativamente, aqueles grupos sociais, organizados de acordo com o modelo gramsciano: o Moderno Príncipe, ou seja, o Partido, ente da razão, tornado imperativo categórico, que toma o lugar da sociedade e passa a definir o bem e o mal a partir de si. Monopoliza, assim, todos os espaços públicos, de onde passa a dominar os meios e fins sociais e estatais: Estado, academia, empresas públicas e privadas, instituições, imprensa etc. 

De outro lado, passivamente, a grande maioria da sociedade conservadora, cujos integrantes, porque sempre ocupados em cuidar de si, da sua vida, da sua família, não encontram tempo, nem disposição, nem interesse, nem vontade, nem força para disputar e ocupar aqueles lugares públicos, de onde poderiam irradiar os seus próprios valores, confrontando o Partido, o Moderno Príncipe. 

Um dos espaços no qual se desenrola essa “guerra assimétrica de valores” – maioria conservadora passiva da sociedade x o Moderno Príncipe – é o domínio da história, no âmbito da qual se encontram: Habeas Libertatis x Habeas Illusionem. Apropriando-se dos meios pelos quais possa redefinir a própria história, como também da sociedade e do país, o Partido atua de modo a apagar os fatos que lhe sejam negativos e criar “fatos” positivos, relativamente ao passado, com vistas à dominação completa do presente eterno.

Eis o estágio atual da “guerra de valores": depois de se construir a partir dos estertores do comunismo real do leste europeu, bem como dos escombros da militância armada esconjurada pela sociedade e militarmente derrotada nas décadas de 60, 70 e 80; após se erigir um projeto de poder político total; empós se constituir força política opositora relevante, metódica,  feroz, “moralizadora”; depois de agregar em si as diversos formações da sociedade civil minimamente capazes de se deixarem organizar finalisticamente; gradativamente logrando ocupar instâncias locais e intermediárias de governo; enfim, tornado uma força política nacional e alcançando o poder central, que aparelha e concentra nele em todas as dimensões de propagação de poder... é chegado o momento que o Moderno Príncipe considera propício a, historicamente, redefinir-se, a sociedade e o país.

Assim, concerta-se a ação política em torno da qual se arma a “Comissão da Verdade”, entre o desgoverno da Idade das Trevas, o Partido, os movimentos sociais que constituem suas correias de transmissão, as instituições públicas e privadas ideologicamente capturadas, a imprensa genuflexa voluntária, tudo forjado num amálgama monolítico com vistas a dominar a história, naturalizando-a, conforme aos desígnios totais do Moderno Príncipe destepaiz.

Quem, quando, onde, por quê, como, para quê, nos próximos capítulos.

Arquivo:

#HABEASVERITATIS: MIRV, O MINISTÉRIO DA VERDADE



2 comentários:

  1. Excelente artigo!
    Encontro-me na categoria dos que estavam, estão e estarão muito ocupados trabalhando.
    Não tinha noção da extensão do estrago causado até agora pelo "desgoverno das trevas®" ( Trade mark by yourself) por viver num mundinho muito peculiar.
    Assim como eu, quantos mais não acordaram para "isto que aí está"?
    Aguardarei a continuação deste ótimo artigo.
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  2. Sensacional...
    Muito comentário estraga, por aqui na madrugada com meus olhos embevecidos de momentos onde dou risadas ao mesmo tempo compenetrada enfim, amei este Blog. Até o nome é algo indescritível.Obrigada, já estou lhe seguindo vou vir aqui sempre tenha certeza disto. Parabéns!

    ResponderEliminar