segunda-feira, 31 de outubro de 2011

CONFRONTO E CURA


A primeira pessoa próxima de mim que vi sofrer um câncer, lutar contra ele, e perder a parada foi um amigo, nos idos dos anos 80. Éramos do grupo de jovens da nossa paróquia, e bastante chegados. Morávamos bem perto, uma de suas irmãs havia estudado comigo, dos 7 aos 11 anos, e não saíamos da casa uns dos outros, além das atividades na igreja que frequentávamos. Era câncer de laringe. Enfrentou-o dos 19 aos 22 anos. Quando iniciou a radioterapia, seu pescoço ficou cheio de linhas, marcas, e daí ganhou, por um cunhado, justamente o namorado da minha amiga, o apelido de "Colorido". Ninguém, a partir daí, o chamava pelo nome, mais. Nem a família. Era a forma bem-humorada de compartilharmos com ele tanta dor, tristeza e temor. Colorido apelidou meu pai, Seu Antônio, de Toizim Ceroula, porque papai, na porta do seu bar, mandava ver na churrasqueira, cheia de espetinhos, sempre usando bermudas. Descia o Colorido a praça em direção à sua casa, e era "Oh, Toizim Ceroula!" de um lado e "Eh, Colorido!" em resposta, de outro. Saudade de ambos. 

Colorido tratou-se no Hospital Hélio Angotti, o chamado Hospital do Câncer, na minha cidade. Teve a sua fase de remissão, o que alegrou a todos. Mas de repente, do nada, sofreu uma parada cardio-respiratória e ficou duas semanas internado. Quando saiu do hospital, muito debilitado, seu cunhado, que era muito amigo meu também, contou lá em casa, para o papai, que o câncer havia se espalhado para o esôfago e sei lá mais para onde. Ele estava sofrendo bastante. Uma noite, contou-nos a mãe dele logo depois, entrando em seu quarto, ela pediu à Nossa Senhora que, fosse para que seu filho sofresse tanto, que ela o encaminhasse para Deus. Uma súplica desesperada de mãe. Colorido não acordou mais. Morreu dormindo. Era véspera do dia que ficou marcado na história do Brasil como a data em que morreu Tancredo Neves. 

Muitos defensores do ex-presidente e de tudo o que ele representa me provocaram, nesses dias, no Twitter e em comentários (aqueles, sempre da baixura de suas existências) se eu não desejaria a morte de Looola. Que falar de Chavez, Fidel e outros era fácil porque estariam longe. Bem, vamos lá. Não sou covarde, e apenas esperei passar o primeiro furor inicial para eu mesma tocar nesse tema. Afinal, já há gente por demais falando, falando, louvando, idolatrando o tumor na laringe do ex-presidente bufão. E, menos ainda, não sou hipócrita. Não mudei em um milímetro o que penso do ExPirado porque ele foi diagnosticado com uma doença cruel, invasiva, assustadora, e que acomete milhares de outros brasileiros, famosos e anônimos, das mais diversas formas. Aos fatos!

Não, senhores e senhoras e et ceteras... não desejo a morte do ex-presidente que transformou o Brasil nestepaiz, nem por um milionésimo de segundo sequer. Nem de câncer, nem de cirrose, nem de gripe, nem de um tropeção sequer. Uma tuiteira, no sábado, fez uma analogia bem ao gosto do de cujus: que era como jogar contra a Argentina. Que venha, com força total, para a Seleção Brasileira vencer. Faço minhas as palavras. Nada de tapetão, não! Que ele fique vivo, e que seja politicamente vencido no campo. Com arquibancadas cheias, vibrando sua derrota. Política. Moral. E legal, que a esperança é a última.

Não, senhores e senhoras e et ceteras.... não passei a achá-lo um ser humano, um meu semelhante, porque está com câncer. Looola continua sendo um lixo. Não vou começar a debulhar lágrimas por ele, porque ele não representa nada para mim, exceto a face fanfarronista do mal petista. Se é chegada a sua hora, que seja, como será a de TODOS os 7 bilhões de habitantes desse planetinha. A morte, assim como a misericórdia de Deus e a corrupção no PT são as únicas certezas que a vida nos dá. Portanto, se for a hora dele, como a minha ou de qualquer outro, não há palavra minha ou de quem quer que seja que impeça-a. Apenas, não a desejo. Simples assim.

Aqui, resisto à tentação de desejar-lhe, como ocorrido com meu amigo, igualmente com  o  seu viceExpirado Alencar, uma batalha de anos, e anos, e anos contra a doença. De jeito nenhum! Se a morte de Looola o canonizaria em rito sumário, um calvário o beatificaria. Infeliz a nação que precisa de heróis, miserável a que precisa de mártires. Desejo a cura de Looola assim como a de todo aquele que esteja sofrendo da doença nesse momento, e mais, não conseguindo acesso a tratamento algum. Desejo o pronto restabelecimento de sua saúde, como desejo que ninguém tenha que enfrentar o calvário de conseguir diagnóstico, tratamento - o mais básico - , cirurgia, medicação - a mais comum - conforme o acompanhamento oferecido pelo SUS. Desejo sim, que sua cura se dê e seja rápida. Rapidíssima.

Na verdade, vou além do desejo. Eu tenho plena certeza que Looola será totalmente curado, com uma brevidade assustadora. Porque, good for him, tem acesso ao que há de melhor, certamente, no mundo, no Hospital Sírio-Libanês. Muito diferente dos milhares de doentes de câncer que morrem na espera interminável de atendimento pelo serviço público de saúde, o SUS, que o próprio Looola pregou como "quase perfeito". E, do alto de sua arrogância, ofereceu-o a Obama...

Looola sairá vivinho desse câncer. Vai nos assombrar, vivo, por muito tempo. Mas que esse tempo, além de servir para mostrar agora a todos os miseráveis destepaiz o que é, de verdade, um bom tratamento de câncer, já que a imprensa genuflexa voluntária faz questão de propagar até a cor do som do espirro que o ExPirado possa dar, sirva para que os petistas e seus assemelhados entendam de uma vez por todas que nós não somos todos iguais, mesmo. Não tratarei dessa ou de qualquer outra doença de Looola da forma como eles trataram Mário Covas, por exemplo, ou a forma como se referiam à Dona Ruth Cardoso, assim que ela faleceu. Só isso já basta. E não, que esses não percam tempo deixando comentários. Aqui, a conduta é KEEP OUT! "Uma conduta asséptica" conforme observação pertinente que recebi no "Canal BBMCat", dia desses.

Vida longa ao ExPirado!

Arquivo:

6 comentários:

  1. Muito bem escrito, muito bom senso, parabéns. Pena que não consigo chegar onde voce chegou, pois meu medo dele vencer mais uma eleição é maior que qualquer misericórdia cristã que eu pudesse sentir. E é isso que vai acontecer,se ele sair dessa, e agora com mais força. Então, quero sim que ele vá dessa prá pior e só volte prá assombrar quem chorar a morte dele.ABS.

    ResponderEliminar
  2. Concordo plenamente. Excelente texto.

    ResponderEliminar
  3. Excelente texto e concordo om ele. Apesar de odiar o PT e toda a quadrilha, eu não desejo que ele venha sucumbir dessa forma. Existem outras formas dele sucumbir.

    ResponderEliminar
  4. O grupo que frequenta aqui, sempre primou pelo alto nivel e principalmente pelo clamor ético, não só politicamente mas socialmente tambem.
    Seria um contracenso tripudiar em cima de um infortuíto de saúde de um desafeto.
    Compartilho o sentimento de que o Arrogante Faraó dos Garanhuns passará pela "maquina de moer carne e emoções" que é um cancer, mas é problema dele, a minha compaixão não terá, e lhe desejo apenas que a natureza corra seu curso, whatever that might be.
    Karma aqui é palavra chave. Imaginem quão mal uma pessoa mal intencionada faz á milhares de pessoas. Fomentando a falta de saude de um povo, escrevizando as ás bolsas assistenciais e principalmente desvirtuando a conduta moral e ética ao permitir descalabros administrativos, tudo em nome de se manter no poder.
    Sim o poder corroi, e no final a corrosão é na propria carne.

    Lunarscape.

    ResponderEliminar
  5. Excelente! Li muita bobagem ao longo desses dias sobre a doença do ex-presidente. Esse texto foi uma redenção diante de tanta nescidade que se fez presente porque a lógica já parecia construída (Lula - SUS).

    ResponderEliminar