quinta-feira, 13 de outubro de 2011

FOI MAL, AÍ!



Tenho um caso muito sério para contar, e que acabou custando a perda de uma amizade e o fim de um casamento. Não, o casamento não é o meu, até porque sou extremamente comportado, um verdadeiro marido modelo (o que não me faz um modelo marido). Conto para alertar o mundo sobre o drama que vive quem se deixa influenciar por tudo o que ocorre nas redes sociais, e quer mostrar aos amigos que sabe de tudo. Até a verdade pode ser perigosa, como descobri.

Era uma vez uma página no Facebook não tão tão distante aqui da minha, habitada por uma das minhas queridas amigas, a Regina Brasilia. Além de bela, a Regina é uma escrevinhadora multifuncional, que aborda de forma interessante desde a politica até comentários de receitas de bolo, a situação econômica mundial e poemas de rara sensibilidade. Claro, com um currículo deste, acabei por me tornar um fã do Veneno Veludo e não deixar passar despercebido suas mensagens no Twitter e no Face, nada que eu não faça com as minhas outras queridas e talentosa amigas. Bom, desviei um pouco do problema. 

Dia desses, passando os olhos pelas imagens e mensagens do Face, vejo a Regina comentando sobre um tal de gloss, coisa que nós homens, insensíveis e ignorantes que somos, não conseguimos diferenciar de um batom, um rouge (que descobri faz pouco tempo não ser apenas um conjunto musical) e outras “cositas mas” do infinito arsenal feminino, esses maravilhosos seres, tão belas e superiores.Esse gloss, dizia minha amiga era como um Superbonder: bastava a mulher beijar para o cara ficar grudado nela. Achei que era uma hipérbole, um exagero, uma mostra do humor afiado dela ou um sentido figurado. 

Perdi o fio da meada de novo? Hunf, sempre uma viagem comigo de 2 quilômetros termina em uma travessia do Atlântico. Vamos voltar ao tema e ao meu problema. 

Então, sem mais delongas digo que vi a foto da Regina, com a boca mais vermelha do mundo, hipnótica, linda de viver e fazendo a propagando do produto (na verdade acho que ela devia cobrar cache). Sei que era gloss, mas não lembro a marca, mas que se conservou tempo suficiente na minha mente enquanto saía para uma volta. Encontrei um amigo, não um velho amigo já que sou morador novo na cidade, mas mesmo assim um amigo, e ele, que por algum motivo misterioso dava mostras de querer perguntar algo, mas a mulher dele estava próxima, e ele parecia receoso. Por sorte ela se afastou para falar com outra moça que passava (cidade pequena é assim, todo mundo conhece todo mundo) e ele mais descontraído e com um sorriso me perguntou à queima roupa: 

- Você conhece algum presente bem bonito, desses que as mulheres gostam de usar? 
E eu com cara de sabe tudo e achando que ele queria fazer uma surpresa para a esposa respondi: 
- Que tal um Gloss? 
- Gloss? Isso é de por no dedo, de vestir, faz cheirar bem? 
- Não, seu matuto ignorante, isso é um produto que as mulheres adoram, passam nos lábios e ficam mais bonitas do que nunca. 
Ele pensou e respondeu: 
- Olha, acho que isso tem serventia, mas como é que compra? E eu, o sabe tudo: 
- Só ir em uma loja de produtos femininos e pedir isto. Disse eu anotando tudo em um papel, o nome e a marca.
Dias depois, encontro a esposa dele saindo do escritório de um advogado. 

- Bom dia, como vai seu marido?, perguntei achando que teria uma resposta diferente da que ela deu, por ela ter ganho um belo presente e já achando que o casal se tornara meu devedor. 
- Estou pouco ligando para aquele idiota, vim aqui fazer a separação, nunca fui tão humilhada... 
E descarregou um rosário de xingamentos. Não entendi nada e perguntei espantado: 
- Mas o que aconteceu? Ela me fitou com olhos faiscantes e sem nenhum constrangimento revelou: 
- O filho da pííííííí (barulhinho igual ao da TV) está no hospital ainda, na fila de atendimento. E riu vingativamente. Eu, ainda sem entender. 
- Mas ele está machucado? 
- Ainda não, mas depois que o médico desgrudar a vagabunda que está com a boca grudada nele, ele vai ver.

Descobri depois por boatos (cidade pequena é f-pííííííí...) que não era bem por uma boca na outra que tinha sido grudado o "casal" azarado, quando a moça experimentou o presente. Perdi o amigo, ele perdeu a esposa e o fabricante do gloss certamente perdeu uma cliente....


Denilson, o Denis_cote, é co-autor do blog Verbo e Paixão.  Dono de um senso de humor ímpar, presenteou o Veneno Veludo com a fábula inspirada no meu Gloss Superbonder

12 comentários:

  1. Deci, querido! Não há como não morrer de rir. Nem sei se tenho uma dó dos indivíduos envolvidos...rsrs. Mas enfim, o gloss é uma arma secreta, über potente.

    Eu sigo usando, apesar de não ter vitimado 'ninguém'. Ainda... ;^)

    ResponderEliminar
  2. Querida Regina.

    Pois é, pensarei melhor da próxima vez que me pedirem uma opinião.
    Foi mal....

    ResponderEliminar
  3. Rindo ainda.... tinha lido a história por partes (esquartejadas) de 140 caracteres, ontem, no Twitter... assim, realmente, tem mais tempero e humor....
    O De é, como eu disse antes na TL, um gênio! Tem uma criatividade ímpar e uma forma encantada e encantadora, toda sua, de escrever... nos sentimos envolvidos e parte das histórias... rsrs
    Foi, sem dúvida, mais um belo presente pros leitores... obrigada. :)
    Bjos!

    ResponderEliminar
  4. Querida Regina.

    A sócia tá jogando muito confete. Eu agradeço, mas não sou genio não, acho que o caso todo provou que estou mais pra ingenuo, hehe.
    Brigado sócia querida.

    ResponderEliminar
  5. A sócia do Deci está certa. Os gênios devem ter asas. E se não forem indomáveis, perdem a graça. Bom que podemos fazer intercâmbio de blogueiros...rsrs. Jocas, crianças!

    ResponderEliminar
  6. Peço a gentileza de me alertarem para textos com tais conteúdos a fim de adotar medidas acauteladoras de meus interesses.
    Por absoluto acaso, o PC que li este artigo fica a apenas 2 metros do vaso sanitário, razão pela qual não tive o desprazer de me urinar (vixe, que jeca) nas calças.
    Genial. Muito divertido, a despeito da profundidade do tema.
    Sobre o tal gloss, tinha falado prá Regina que seu uso levava a riscos enormes de flagrante delito; agora confirmado.

    ResponderEliminar
  7. Querida Regina.

    O cacique tem razão, essas coisas deveriam ser levadas ao conhecimento da ministra Irineu Lopes, da Secretaria da Mulher.

    ResponderEliminar
  8. Fiquei só imaginando a cena... rsrsrsrs!

    Abraços sempre afetuosos.

    ResponderEliminar
  9. De-li-ci-o-so!!!!!!!!
    Denis-Cote, você tem que escrever mais. Adoro de paixão estas crônicas do cotidiano.
    beijim

    ResponderEliminar
  10. gente, agora que li os comentários, esta de levar o caso à ministra ireny foi a cereja do bolo..(rs)

    ResponderEliminar
  11. esses meus amigos, que pelo fato de serem 2.0, não os torna menos amigos são geniais.

    Aliás tenho que dizer que há um fenômeno de aglutinação social no twitter. Os bons acabam se encontrando!

    E formando as mais maravilhosas parcerias!

    Viva o gloss: E Deci, depois temos que te ensinar sobre o lip-balm

    ResponderEliminar
  12. Que delícia e nem preciso dizer que a gargalhada foi das melhores.... Delicinha de ler. Não conhecia este poder todo do gloss.... Preciso dar um jeito nisto rapidinho...kkkkkkkk Bjo grandão!

    ResponderEliminar