terça-feira, 1 de novembro de 2011

CAI A NOITE



De entre todos, apenas vós 
tendes direito a ver-me 
fracassar. Onde caio 
entre a vossa irônica 
doçura implacável, convosco 
partilho o pão e o espaço 
e a rapidez dos olhos 
sobre o que fica (sempre) 
para dar ou dizer. 
E de vós me levanto 
e vos levo pesando 
e ardendo até onde 
me ajudais a ser 
melhor ou talvez 
menos só. 

Vítor Matos e Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário