domingo, 13 de novembro de 2011

ROCINHA: O QUE É, O QUE DEVERIA SER

(Photo: Estadão)


A guerra torna-se inevitável quando os maus a invocam e os bons não apodem evitar, para não perecer. Finalmente, a favela (nome politicamente incorreto) da Rocinha, ops., é pacificada. Tornar-se-á um Éden Redivivo. primeiro passo demorou 500 anos. 2000 mil passos quando?  "pacificação" da favela da Rocinha, como é feita, é saliva televisiva: 

O programa televisivo " na favela" (1): deve ter 2000 capítulos. Estamos assistindo ao 19º.
O programa televisivo " na favela" (2): até o final do século 22, assistiremos ao final desse épico do "homem-massa".
O programa televisivo " na favela" (3): durante esse breve lapso de 190 anos, os políticos capitalizarão sua incompetência realizadora.
O programa televisivo " na favela" (4): bem antes desses 190 aninhos, até a próxima eleição, Cabral "Wally" continuará a prestidigitação salivar
O programa televisivo " na favela" (5): Wally é especialista em prestidigitar saliva na TV, no rádio, nos jornais, na internet.
O programa televivo " na favela" (6): e, com que gáudio, a imprensa genuflexa voluntária sorve a prestidigitação salivar de Wally.
O programa televisivo " na favela" (7): assim, consolida-se a nova velha crença no fundamentalismo da saliva: a governança destepaiz.
O programa televisivo " na favela" (8): enfim, o "homem-massa" retribuirá essa governança, concedendo-lhe mandato eterno: "Mun-Rá"!

Não sendo saliva televisiva, numa verdadeira ação se segurança pública, abre-se espaço numa favela, combatendo, primeiro, os criminosos que estão fora dela, especialmente os que se locupletam dela. É comezinho que a tomada de territórios hoje ocupados pelo tráfico é uma operação de guerra. Assim deve ser tratada: 

- Expulsão de todos os agentes públicos que se locupletam do tráfico existente nas favelas. 
Cercamento, pelas forças de segurança, de todas as áreas onde funciona o tráfico. Sem aviso antecedente.
Uso sistemático das forças armadas, quando necessário, para tomar territórios.
Uso das forças armadas para proteger as nossas fronteiras, por onde entram a droga e as armas dos traficantes. 
Declaração de estado de emergência ou, até mesmo, estado de sítio, para proteger as pessoas dos combates aos traficantes.

É claro que as forças do Estado devem subir o morro e lá permanecer. Todavia, no ritmo atual, as  - Unidades de Pouca Polícia nunca alcançarão as 2000 favelas do RJ. Sou um otimista incorrigível: acredito que os traficantes abandonarão o crime e se dedicarão à política.


Nota da Velvet: Lembra a @Marcia1907, nossa Mirtes Guimarães, nos comentários, sobre um desabafo que ela fez, aqui mesmo, há cerca de um ano. Merece destaque e (re)leitura: Minha cidade está sitiada!

Arquivo:


3 comentários:

  1. O problema detecado,as causas efeitos,o diagnóstico dado.
    Raro ver uma situação com brevidade de respostas com tamanha eficácia.
    Bastava o poder público atentar para o diagnóstico(os, naõ sabem é?)
    Deve, como diz o autor,como creio, estarem expondo as situações como espetáculo mundial(as UPPs do Rio de Janeiro ,funciona,e bem),em vista de benifícios futuros,com fins eleitoreiros...
    Ah, ser honesto é motivo de festa, outra festa, uma vez que eles não são. A população é educada para crer que honestidade é mérito de poucos, de hérois. Bandido mora em "favelas".Um milhão por ser honesto.O traficante acostumado a lidar com bandidos! Eu ví, coisa do outro mundo mesmo, de paraíso, do "Éden".

    ResponderEliminar
  2. Há exatamente um ano eu escrevia um desabafo aqui com o título "cidade sitiada". Nele eu pedia que Bope e companhia ocupassem os morros. Não sou fã do Sérgio Cabral, mas estou felicíssima com a tomada da Rocinha e do Vidigal. Sim, eu preferiria que ela fosse feita com prisões de centenas de traficantes. Sim, eu preferiria que a tomada significasse o fim do tráfico. Mas,mesmo assim é um alívio saber que podemos passar pela Nyemayer ou pelo túnel da Gávea sem temer dar de cara com homens com metralhadoras e granadas.

    ResponderEliminar
  3. Márcia está corretíssima. Só quem, ao menos uma vez na vida, passou pela Niemeyer ou pelo túnel da Gávea com a devida consciência do local onde estava sabe a importância da missão Rocinha, mesmo sabendo que muito há de hollywoodiano no evento.
    basta ver que a "invasão" durou menos de 2 horas e a grobo níus conseguiu fazer render por todo o dia e boa parte da noite. Até o fim dos jogos de futebol, at least.
    Muito bom texto Rê.

    ResponderEliminar