quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

CAI A NOITE



A verdade é semelhante a uma adolescente 
vibrante, flexível, em radiosa sombra. 
Quando fala é a noite translúcida no mar 
e a esfera germinal e os anéis da água. 
Um apelo suave obstinado se adivinha. 

Ela dorme tão perfeitamente despertada 
que em si a verdade é o vazio. Ela aspira 
à cegueira, ao eclipse, à travessia 
dos espelhos até ao último astro. Ela sabe 
que o muro está em si. Ela é a sede 

e o sopro, a falha e a sombra fascinante. 
Ela funda uma arquitetura volante 
em suspensas superfícies ondulantes. 
Ela é a que solicita e separa, delimita 
e dissemina as sílabas solidárias. 

Antônio Ramos Rosa

1 comentário:

  1. Olá,

    verdade é punhal mas também é salvação nos assuntos do coração.

    Um final de semana maravilhoso para você!

    ResponderEliminar