sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

A PESQUISA, A POPULARIDADE E MINHA BOLA DE CRISTAL

"Ou será que Governar só é assim tão difícil porque a exploração e a mentira 
São coisas que custam a aprender?" (Bertolt Brecht)

Há quem duvide dos resultados de pesquisas. Números, em si, são absolutos. Os grandes institutos não fraudam os números. O que determina um resultado favorável, geralmente, ao "contratante", é o questionário. São os tipos de perguntas e a ordem com que são feitas ao entrevistado, automaticamente conduzindo este a determinadas respostas desejadas previamente. Por isso que, em campanhas políticas, faz-se pesquisas internas. Não são registradas, não são para divulgação, mas para fornecer diagnóstico da realidade, embasando, assim, as ações de campanha. 

A pesquisa divulgada nesta sexta-feira, da manjada parceria CNI/Ibope que diagnostica alta popularidade record do governo de dona presidente pode ter sido conduzida para isso. No entanto, algumas coisas são inegáveis, se sairmos de nosso círculo protegido e vermos o que se passa ao redor. O povo não está tão preocupado com a corrupção que acharca o país, como deveria. Quando (e somente se) aparece na TV a notícia deste ou daquele envolvimento de gente do governo em "malfeitos",  a massa vê e ouve, comenta alguma coisa e logo se entusiasma por quem pega quem na novela. O povo se sente bem. Está indo bem, consumindo bem, e é só o que lhe interessa. 

O "bem-estar social" é uma grande sacada dos teóricos esquerdistas. Nada controla melhor o povo do que a ilusão da felicidade fácil, e nada traz esse efeito tão rápido quanto o poder de consumir aquilo que acha que lhe fará feliz. Bem, na verdade, faz qualquer um feliz adquirir o que deseja. Um povo que faz fila à meia-noite, nos shoppings-centers, para comprar o iPhone mais caro do planeta, dá de ombros para o desgoverno que temos. Enquanto a propaganda oficial e aquelas que a genuflexão voluntária da imprensa propagar conseguir passar a ideia de que a gerentona tem o controle do seu espelho, o dragão da inflação que acelera sobre nós, nada vai abalar o ímpeto do desgoverno, que não foge à suas raízes e se pretende fazer o que bem entender. Pois tem a "aprovação popular". 

As nuvens estão carregadas para o lado moral, ético e legal  (corrupção é crime, apesar de não ser para o PT). Mas poucos entendem que entre a prática de corrupção engendrada nas entranhas do desgoverno e o discurso de "tolerância zero" de dona presidente há uma Via Láctea de distância. O povo entende que sua vida deixa de ficar boa se 1.como já disse, a inflação o impedir de consumir e 2.adoecer, sem plano de saúde, e bater na fila dos hospitais públicos de qualquer lugar destepaiz. Ainda assim, neste caso, o "culpado" é o político, o administrador mais próximo: o prefeito, o governador. Até chegar na responsabilidade do Ministério da Saúde, que é o responsável por tudo, de fato, e na responsabilidade da pessoa da presidente da República, muitas rodadas de pesquisas podem ser feitas que não será diagnosticada a insatisfação. Isso é capilaridade. Até chegar lá na ponta, demora...

Além de quem pensa por si e por isso é livre, quem se incomoda com os números da tal pesquisa, certamente é o ExPirado, já que seu objetivo é retomar a cadeira que ele pensa que lhe pertence, como um exoesqueleto. Se sua criatura-herdeira cismar em não devolver.... hum... vai ter briga. Quem mais sabe disso? Todos os envolvidos no processo da próxima eleição presidencial. Que ninguém se iluda. Todo e qualquer movimento feito por quem quer que seja, pretendendo-se candidato em 2014, na verdade, mira, com juízo perfeito, 2018. Salivam por isso Aécio Neves, Eduardo Campos. Miram lá também Beto Richa, por que não? Eduardo Paes, com certeza, pensa nisso, dia e noite. 

E como não podemos desprezar as eleições municipais do ano que vem, em função da força que representa São Paulo (podem chiar, mas é verdade), jogo uma pulguinha nas orelhas de vocês: Looola quer eleger Haddad prefeito da capital do maior estado destepaiz. O poder passa por aí. Porém, e aí vai a pulguinha para 2018, um nome pode mudar tudo isso. Vai depender do voto. Guilherme Affif Domingos. 

Isso, quem me diz, é a minha personal pulguinha. Aquela, que vive na minha orelha direita e sopra o que bem entende, para mim. 

Arquivo:

5 comentários:

  1. Cara, acho que os entrevistadores-amigos exageraram um pouco na dose ao colocar a presidente com mais popularidade do que o ex...

    ResponderEliminar
  2. Nove dedos vai fazer o possível e impossível prá eleger o Malddad e reafirmar sua "força". E nem tenha dúvida: vai fazer muito mais canalhice que fez prá eleger a atual governANTA

    ResponderEliminar
  3. Se as oposições se unissem, talvez conseguíssemos mudar esse quadro.
    Caso não haja essa união, estepaiz continuará sendo dominado por assassinos da democracia.
    Durma-se com um barulho desses !!
    @BobWebBB

    ResponderEliminar
  4. opcao_zili16/12/11, 15:58

    São Paulo não pode cair nas mãos desse povo. Seria a derrocada final. É uma guerra mesmo e SP nunca fugiu dela. A luta será renhida mas valerá - pelo Brasil e pelos cidadãos de Bem. FORÇA TOTAL SÃO PAULO.

    ResponderEliminar
  5. CHAPA PARA PREFEITO EM SÃO PAULO:

    AFIF DOMINGOS - PREFEITO

    ANDREA MATARAZZO - VICE


    JHS/SP

    ResponderEliminar