quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

CAI A NOITE


Eis-me
As minhas mãos quem há de prendê-las?
Tremem
Ei-las Minhas mãos Entregando-te nas tuas
Guarda
Tu tens o melhor de mim: a tua verdade

Eis-me
O meu coração quem há de compassá-lo?
Inútil
Ei-lo Meu coração Recebendo do teu
Guardo
Entregaste-me o melhor de ti: a tua confiança

Eis-nos
As nossas palavras quem há de impedi-las?

Viajam
Ei-las Nossas palavras Diluindo-nos as partidas
Guardam
Resumem-nos no melhor de nós: a nossa cumplicidade

Eis-me em ti Tu estás em mim
E se tivermos que montar guarda nessas guerras
Guardaremos para muito além do sono, dos sonhos
O que tem minha vida de melhor, a tua verdade
O que tem tua vida de melhor por mim, a confiança

Nossas partidas nos trazem um, o outro; um ao outro
Eis o nosso escudo, a tua arma, a minha fortaleza
Cumplicidade.

3 comentários:

  1. Regina, que bom estar regressando das férias e correr para esta tua casa. Senti saudades da tua casa! Saudade dos teus versos, tuas confissões e reflexões.

    Acabei de abrir o computador e aqui está você falando de cumplicidade. Palavra cara! Palavra em desuso, esquecida, desbotada, mas fundamental aos amantes.

    Amei toda esta tua cumplicidade...

    Abraços sempre afetuosos.

    Fábio.

    ResponderEliminar
  2. Sublime! E a foto não podia ter sido melhor escolhida...
    Parabéns...sempre!

    ResponderEliminar
  3. OMG! o que falar depois disto tudo?

    ResponderEliminar