terça-feira, 24 de janeiro de 2012

ESQUERDA E O PT: QUE DISCUSSÃO É LEVADA A SÉRIO?


Por Denilson Luiz Cicote

Por que eu não discuto a sério nem com a esquerda, nem com petralhas? Porque eles seguem a cartilha ideológica dos totalitários. Ao separar verdadeiramente todos os rótulos e desvios, perceber-se-á apenas 2 ideologias: uma que quer o homem livre mas responsável, vivendo em sociedade mas consciente de sua individualidade. Esse é o estado natural do ser humano, e se assim não fosse, jamais teria saído da África e colonizado toda a Terra. O segundo quer o homem antinatural, o homem preso, vivendo como formigas ou abelhas, produzindo para toda a colméia, mas na verdade sustentando com geléia real a abelha rainha e seus zangões. Como bem sabemos pela história, os do segundo grupo podem muito bem viver no mundo das pessoas do primeiro grupo. Tanto sistemas de “direita” e de “esquerda” se enquadram no perfil.

Numa sociedade livre os contrários fazem parte da paisagem, do meio, senão não haveria realmente liberdade, mesmo que queriam apenas destruí-la. Essa é uma contradição, a fraqueza, mas também a força de sistemas democráticos. No outro sistema, o “igualitário”, onde o estado determina quem é quem ou o estado onde todos são iguais é impossível a coexistência do sistema com as pessoas do primeiro grupo. Eles querem ser diferentes, querem mais, querem ter alguma autonomia, e não a autonomia dirigida que o estado propõe que na verdade não é autonomia, mas a escolha de um número limitado de opções.

Tudo no Estado, nada contra o Estado, nada fora do Estado (Benito Mussolini) 

Não há nada fora disso, e os contrários devem ser eliminados para o bem e continuidade do sistema.

Ninguém diz (talvez vergonha ou dissimulação), mas o princípio dos partidos socialistas é o mesmo princípios dos fascistas; haja o que houver, o Fuhrer está certo, seja ele uma pessoa ou um departamento do estado. Esse é o algoritmo que dirige a logica totalitária. Em Origens do Totalitarismo Arendt apresenta a ideia que nos sistemas totalitários (e ela estudou tanto o fascismo quanto o socialismo) não existe o espaço para o erro, pois esta possibilidade não faz parte do ideário. Dai que o líder ou o partido não pode admitir contestações pois isso significaria a destruição dos alicerces ideológicos que pressupões sua infalibilidade. 

Estes alicerces estão construídos em cima de duas simples afirmações: a de que para serem realmente abrangentes as ideologias tem de ter resposta para tudo e a segunda que aconteça o que acontecer nenhuma pergunta pode por essa verdade em cheque pois ela é global. Um bom e velho exemplo é o do feiticeiro (ou o Paulo Coelho, dá na mesma) que alega ter o poder de fazer chover pela sua intimidade com os espíritos poderosos. Um Europeu afirma que isto é um absurdo e pede provas. Após realizar seus procedimentos “mágicos” o feiticeiro se dará por derrotado? Não, pois isso mostraria a tribo que ele não tem esse poder, e talvez nenhum outro. O feiticeiro irá deslocar a questão, dizendo que o europeu ofendeu aos deuses com suas exigências, que não era um momento espiritual propício, que por algum pecado ou falta de seu povo para com os deuses da chuva eles estão irados, que o link não é bom e, portanto, os deuses não receberam corretamente a mensagem. Longe de invalidar a ausência de chuva pode até reforçar e confirma o poder do feiticeiro perante a tribo que terá de alguma forma trabalhar para reconquistar o perdão dos deuses ou simplesmente sacrificar o explorador enxerido. 

Outro artificio usado pelos totalitários é dizer que é o estado que necessita, faz e distribui a igualdade. O papai/mamãe estado cuidará de tudo e de todos. Apesar de que venderem a ilusão de o estado ser a instância máxima, o estado não tem consciência, personalidade e nem intenção, tem de haver pessoas mandando, executando; sempre o poder será exercido por pessoas, mesmo que centenas de camadas de ilusão digam que é o estado, que é uma máquina, que é um sistema, uma entidade abstrata. Se haverá um ou milhares de pequenos fuhers, kaisers ou timoneiros é uma verdade indiferente. O fim é sempre o mesmo, uma sociedade de castas, rígida, sólida, sem mobilidade e, portanto sem o perigo dos que governam perderem seu poder. Quando Marx afirmava que a sociedade capitalista se tornaria rígida, se ossificaria e seria substituída pela ditadura do proletariado subestimou a capacidade do capitalismo de se reinventar em suas crises, de avançar. 

Na verdade, o sistema socialista é que produz essa calcificação, essa rigidez que pode acabar fazendo com que fissuras apareçam. Claro, a reação do sistema, da colmeia é eliminar qualquer anomalia ou corpos estranhos. O regime comunal encontrado nas sociedades mais atrasadas e que segundo os “inteliquituais” confirmariam que a sociedade em seu berço é comunista significa apenas que em um estágio de pouca técnica e tecnologia a única forma de sobrevivência é a união da espécie para favorecer os mais aptos. Tanto isso é verdade posto que nestas sociedades primitivas é comum o infanticídio, pois uma criança com problemas físicos ou mentais será um peso a mais para a sociedade, que tem de se preocupar já com manter bem o chefe e sua família, o feiticeiros e seus ajudantes, os melhores guerreiros, os plantadores e coletores mais eficientes, as mulheres mais aptas para parir o tipo de ser que precisam. Como na ditadura totalitária, os supérfluos, os problemáticos, os contestadores, os menos aptos devem desaparecer, para que a sociedade justa e igualitária permaneça. 

Penso que este me parecem alguns bons motivos para que não perca meu tempo com os petralhas. O que faço é desprezar seus invariáveis argumentos, que são os mesmos não importando escolaridade, o cargo ou o sexo. Além do mais, muitos tem interesses econômicos, tem o contra-cheque no final do mês, o mensalinho, a ONG e, contra isso, não há argumento possível. O que acham? 

Denilson é o Denis_cote, ex-esquerdista que viu a luz e agora escreve sobre humor e política na medida certa. 

(Nota da Velvet: artigo publicado originalmente no 
blog Verbo e Paixão - acesso na lista Cheers.)

Arquivo: 

6 comentários:

  1. CARO DENIS

    UM POVO QUE NÃO SABE DIFERENCIAR O QUE É VEREADOR, DEPUTADO, SENADOR TEM TODA A POSSIBILIDADE DE SER ENGANADO PELOS DISCURSOS DO PROLETARIADO, DO NIRVANA PROMETIDO E SAEM DA TOCA (ENCONTROS FECHADOS) ECOANDO O MESMO DISCURSO COMO PAPAGAIOS REPETIDORES SEM QUESTIONAR QUALQUER PALAVRA OU FRASE. PERDER TEMPO COM QUEM NÃO PENSA E SÓ OBEDECE É RETROCESSO PARA AQUELES QUE OBJETIVAM SER MAIS QUE APENAS A TECLA PLAY!!

    Marisa Cruz

    ResponderEliminar
  2. Querida amiga Marisa.

    Este dia quando fizemos de brincadeira a hastag #tuiteumlivrodomercadante o mais impressionante foi a enorme quantidade de gente perguntando quem era o mercadante. Isso vindo de vende que usa sempre a internet. Acho que o PT está criando uma geração completamente idiotizada.
    Vamos rezar para que acordem.

    ResponderEliminar
  3. Mercia Almeida Neves24/01/12, 17:24

    Mas esta questão é muito complexa.E muito simples. Exatamente como o Denilson explanou.Eu,pequena, chegava à porta da nossa casa um moço.Ele era comunista.Àquilo mexia comigo,o via como a própria encarnação do demônio.Com voz suave e vocabulário extenso, mostrava os benifícios daquele regime.Ele mentia e eu sabia.Com mansidão e alma muito pura minha mãe o recebia.Ela, de alguma forma, é envolvida em causas sociais, inconscientemente.Faz por devoção.Por amor.Por bondade. Ele sabia.Queria àquelas "causas" para sua ideologia.Brandamente ela o entendia.E nunca passou disso.Às conversas, o acolhimento.O moço está rico. O moço continua comunista, promovendo "Justiça Social" com os bolsos,e consciências alheias.
    O link da história com o texto,é que como numa espécie de seita,de magia, eles se convertem, não questionam, se dobram,se fiam. O pior,obscuro,medonho, dessa história toda, é que, como naquela época, eles, os lideres, são treinados,intelectuais ( O moço,é,era.)Suas técnicas são sistemáticas. São estudadas friamente.Como uma grande denominação religiosa tangem seus algozes ao bel prazer de seus ideais.Submetem os tangidos.E nos submetem,submetem nossos bolsos, educação,filhos.O moço continua interessado nas causas daquela que faz honestamente o bem comum. Ela acha bonito, a preocupação dele com o semelhante.E só.

    ResponderEliminar
  4. Vítimas de bolsas, sacos e sacolas de hoje em dia são os antigos beneficiários de dentaduras e óculos. Enquanto o povo não receber educação, será massa de manobra desses canalhas

    ResponderEliminar
  5. Cara Mercia;

    Realmente, creio que a cegueira petralha se pareça muito com uma forma extremada de religiosidade. O duro é que nem "os Bispos" desta religião acreditam no que pregam. Até qundo o Brasileiro vai ser vitima de gente assim?

    ResponderEliminar
  6. Caro cacique.

    Vítima, sempre vitima. É o que o brasileiro é e ganha por seu imediatismo, por achar que é tudo igual. Creio que muita gente que entra para a política com projetos serios tem a primeira decepção é com os eleitores. Temos de mudar isso antes de tudo.

    ResponderEliminar