terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

CAI A NOITE

− Não passes, caminhante! − Quem me chama?
− Uma memória nova e nunca ouvida,
De um que trocou finita e humana vida
Por divina, infinita e clara fama.

− Quem é que tão gentil louvor derrama?
− Quem derramar seu sangue não duvida
Por seguir a bandeira esclarecida
De um capitão de Cristo, que mais ama.

− Ditoso fim, ditoso sacrifício,
Que a Deus se fez e ao mundo juntamente!
Apregoando direi tão alta sorte.

− Mais poderás contar a toda a gente
Que sempre deu na vida claro indício
De vir a merecer tão santa morte.

Luís Vaz de Camões

1 comentário:

  1. Bárbaro! Lindo e pertinente em tempos de perseguição aos que seguem a Cristo.

    Abraços sempre afetuosos.

    Fábio.

    ResponderEliminar