quarta-feira, 21 de março de 2012

CAI A NOITE

Se tu te ausentas de mim torno-me frasco
Estéril, oco, cujo perfume feneceu há tempos
Torno-me em vida a vida num canto escuro
À mercê do acaso, caso de vida na soledade,
Vida no medo, a morte com medo da vida!

E se tu me preenches de ti torno-me fibra
Vibrante, febril graça, a encher a nossa cama
À mercê da tua vontade de vida enluarada
Fresta de luz que escapa pela persiana,
Viva em sons de vida, tua sublimação viva!

Nada do que é eterno tem pressa....

E se nós nos pertencemos, um ao outro tornamo-nos
Um do outro no exato momento em que nossas mil bocas
Devoram-nos, fartando-nos de nós dois, satisfeitas
Sob nossos mil olhares esboçados no sorriso - do outro

Então eu e tu nos permitimos ressonar

Finda-se a busca de nossas ausências na presença
Marcada dos amores contidos nos nossos lençóis,
Acalentados, pois, em nossos travesseiros

Até o próximo recomeçar...

Sem comentários:

Enviar um comentário