domingo, 4 de março de 2012

COMISSÃO UNILATERAL DA "VERDADE"

Por BSchopenhauer

O programa Espaço Aberto - Míriam Leitão, na GloboNews, tratou do assassinato do deputado Rubens Paiva. Sobre as circunstâncias da sua morte, bem como os fatos relativos aos supostos desaparecimentos de 183 pessoas, que pretensamente se debruçará a "Comissão Nacional da Verdade" instituída pelo desgoverno da Idade das Trevas. Depois de assistir ao referido programa, fui ao Twitter para, citando o Dr. Evil, "monologar" com a jornalista Míriam Leitão, acerca da perspectiva escolhida pelo programa, consoante a própria "investigação" a ser levada a cabo pelos Comissários.

- O assassinato de Rubens Paiva enquanto esteve sob poder do Estado foi um crime abjeto.
- Os assassinatos de brasileiros em atentados terroristas durante o período militar foram crimes abjetos.
- Defender a inocência de terroristas e torturadores durante o período militar é conduta abjeta.
- A Comissão da "Verdade" ouvirá apenas os acusadores dos militares? Ou eles serão todos "justiçados" à revelia?
- Acreditas que o governo petista é realmente interessado em abrir arquivos militares da época do regime?
- Os arquivos militares da época não devem estar abarrotados de informações depreciadoras sobre os atuais donos do poder?
- A Comissão da "Verdade" dará à luz os arquivos militares que contêm traições, justiçamentos, atentados terroristas...?
Meu interesse pela verdade do período militar é didático, mas alheio à epistemologia da empulhação tão cara à academia destepaiz. De 1946 até 1988, a verdade a ser "investigada" dever-se-ia conformar-se à uma perspectiva integral, para toda a sociedade. Sob esse pretexto, a Comissão Nacional da "Verdade" a escamoteará. Enquanto, a imprensa genuflexa segue defendendo a Comissão Nacional da Verdade Escamoteada, da minha parte, defendo que a luta contra "a mentira política consciente" dever-se-ia constituir desiderato do Brasil, sem interesses unilaterais.

Jornalistas, em geral, em que pese a presença em redes sociais como no Twitter, tendem à zona de conforto. Salvo as exceções de praxe, não costumam responder quando desafiados em sua genuflexão. O programa em epígrafe será reprisado pelo canal GloboNews neste domingo, às 19 horas. Alguma dúvida de que, nem antes, nem depois, as observações supracitadas serão esclarecidas ou apontadas? Não nestepaiz, onde culpados esquerdistas são inocentes, embora provas em contrário à farta. E inocentes não-esquerdistas são culpados, malgrado provas em contrário às escâncaras.

Arquivo:
HABEAS VERITATIS X HABEAS ILLUSIONEM

4 comentários:

  1. Excelente artigo!
    Ficaremos todos esperando sentados alguma manifestação da jornalista.

    Parabéns!

    ResponderEliminar
  2. A verdade é que embora tenha sido a ditadura menos violenta, já foi pago às cerca de 2 mil autoproclamadas vítimas mais do a Alemanha pagou às famílias dos 6 milhões de judeus. só isto demonstra que o interesse desta gente está a milhas de distância da verdade...

    ResponderEliminar
  3. Mercia Maria Almeida Neves04/03/12, 23:33

    É interessante como o governo onde se tem uma Presidente tão "preocupada" em "investigar," em agir com "justiça", em indenizar famílias que perderam os seus, em instalar um Comissão...essa mesma Presidente sente-se confrontada com um manifesto de militares.Pretende-se puni-los.Essa mesma Presidente entende que uma entrevista de um General, (Globo expresso)à mesma jornalista pode incomodá-la ao ponto de adiar o que fará em seguida com o entrevistado...É curioso,silenciador.
    O artigo relata as verdades que devem,deveríam,deve ser bilateral.Sempre instrutivo.Parabéns.
    Indicaria ingenuamente o filme Brasileiro Reis e Ratos, em momento atual tudo haver.É, creio, até um indicativo.Um sinalizador.

    ResponderEliminar
  4. Não estou entendendo. Não devemos investigar os crimes da ditadura militar porque outras pessoas também cometeram crimes? E quem foi perseguido e torturado pela ditadura sem ter cometido nenhum crime, o que tem a ver com outras pessoas que cometeram crimes? Não está faltando um pouco de lógica e sobrando falácia, Schopenhauer?

    Se os crimes cometidos por outras pessoas é importante, porque ao invés de criticar o objetivo da Comissão da Verdade algum deputado não promove a sua própria comissão e atua seriamente? Poderia ser o Jair Bolsonaro, por exemplo.

    Realmente não entendo. A Comissão da Verdade só tem como objetivo investigar e não processar e muito menos punir. Por que tanto medo da verdade? Se os militares agiram corretamente, para conter uma perigosa ameaça, por que não ter orgulho das suas ações? Por que se esconder?

    ResponderEliminar