sexta-feira, 2 de março de 2012

MULHER: CONDIÇÃO E EVOLUÇÃO




Apesar das dezenas de artigos que cantam as glórias dos novos tempos, em que mulheres conquistam seu lugar ao sol, creio que o termo reconquista seria bem mais condizente com a realidade. Desde o século XIX antropólogos e até um eminente teórico do socialismo moderno, acolheram as idéias de Darwin que defenderam a existência, num tempo remoto da humanidade, do sistema do matriarcado, uma organização social inteiramente dominada por mulheres. A hipótese matriarcal surgiu em 1861, quando o suíço Johann Bachofen sugeriu a existência de sociedades matriarcais na pré-história. Suas idéias influenciaram fortemente antropólogos e arqueólogos no final do século XIX e no começo do século XX. Em várias outras sociedades, como os celtas na Bretanha, a mulher tinha um papel fundamental, ela era muito valorizada e não existia qualquer tipo de preconceito.


A evolução da sociedade no formato atual se deu justamente por questões ligadas à economia; as mulheres dominavam a vida dos agrupamentos humanos no início da sociedade. Ela gerava filhos e era a principal provedora, pois era coletora. Enquanto os homens antigos podiam sair para caça e nada trazer durante dias, era a mulher que cuidava da alimentação de toda a tribo. Especula-se que foi dessa forma, trazendo grãos para a caverna, que foi descoberta a agricultura, pois os restos brotavam onde eram deixados. Observando isso passaram a fazer experiências. Também, certo ar de sagrado rondava as mulheres. Tudo na natureza o qual o ser humano reverenciava compunha-se de ciclos. O ciclo diário do nascer do sol, as estações, as estrelas no céu que pareciam andar e voltar ao inicio após determinado tempo, e o misterioso ciclo da mulher. Também o sangue era sagrado por representar a vida, e ele estava presente nos ciclos mensais das mulheres. 

Nada mais natural que a mulher ser vista como um ser divino, ou com uma ligação especial com o divino e o espiritual, conforme escreve em “As Máscaras de Deus” o cientista Joseph Campbell. Nesta época o que existia era uma diferente dimensão do divino – que se configura, então, principalmente na concepção da Deusa-Mãe – estreitamente vinculada aos ritos do par dicotômico fecundidade-morte, para o homem algo divino e misterioso. De acordo com os modernos antropólogos, a disputa dos homens pela caça chegou ao estágio de conquistas e guerras. Como o homem passou a deter o poder econômico através das armas e da herança, as mulheres foram então, destronadas e toda uma ideologia machista passou a imperar como uma forma delas não voltarem ao poder.


De certa forma esse pensar perdurou até as grandes guerras, onde, pela grande mortandade dos homens, a necessidade deles para bucha de canhão, levou aos industriários a ideia de fazer as mulheres trabalharem, transformando isso em um esforço patriótico. Foi como uma volta ao passado, enquanto os homens brincavam de guerra, as mulheres voltaram a carregar o fardo do sustento. Ao fim das guerras, os homens voltavam para casa e encontravam uma mulher diferente. Muitos não gostavam. Mas os mais espertos perceberam como era bom ter um salário extra em casa e ainda as mulheres continuavam a cuidar da casa quando voltavam da jornada na fabrica, onde ganhavam menos e pegavam os trabalhos piores.

As mulheres começaram a ter consciência de seu valor e as grandes lutas femininas começaram, culminando no que a sociedade é hoje; ainda excessivamente machista, mas com bem mais chances das mulheres chegarem onde querem. Alias muita das grandes personalidades em todas as áreas do conhecimento humano são mulheres e dia virá em que elas não terão de se humilhar por salários menores para os mesmos cargos que os homens. Mas não é só no mundo do conhecimento e dos negócios que as mulheres tem mostrado sua força. Grande parte das conquistas se deve a mulheres que foram para a política, como Hillary Clinton. Ela se destacou como senadora e ganhou vida política própria, sem depender do marido. Ainda nos Estados Unidos, temos Condoleezza Rice, que também se destacou. Na Alemanha, Ângela Merkel foi a primeira a chefiar o governo do país. Na Libéria, Helen Sirleaf foi a primeira mulher eleita Presidente na África; formada em Administração na universidade de Harvard, foi diretora do Banco Mundial é chamada de “Dama de Ferro”. Tivemos também Margareth Thacher na Inglaterra. No Brasil,  Ellen Gracie e a senadora Kátia Abreu..

Atualmente, o perfil das mulheres é muito diferente do apresentado no começo do século. Além de trabalhar e ocupar cargos de responsabilidade assim como os homens, ela ainda realiza as tarefas tradicionais como a de ser mãe, esposa e dona de casa. Trabalhar fora de casa é uma conquista relativamente recente para as mulheres. Ganhar seu próprio dinheiro, ser independente e ainda ter sua competência reconhecida é motivo de orgulho para todas. Porém, observa-se que elas já provaram que além de ótimas donas de casa, podem ser também boas motoristas, mecânicas, engenheiras, advogadas. Já está mais do que provado que as mulheres são perfeitamente capazes de cuidar de si, de conquistar aquilo que desejam e de provocar mudanças profundas no decorrer da história da humanidade. É a retomada de sua vida e história, a reconquista!!!

Assim eu vejo a vida A vida tem duas faces:
Positiva e negativa O passado foi duro
mas deixou o seu legado
Saber viver é a grande sabedoria
Que eu possa dignificar Minha condição de mulher,
Aceitar suas limitações 
E me fazer pedra de segurança
dos valores que vão desmoronando.
Nasci em tempos rudes
Aceitei contradições lutas e pedras 
como lições de vida e delas me sirvo
Aprendi a viver.
(Cora Coralina)

Denilson Cicote é o @deci_cote, que fala de "humor e política na medida certa e às vezes na medida errada, já que o homem é a medida de todas as coisas." 


(Publicado originalmente no blog Verbo e Paixão)

9 comentários:

  1. opcao_zili02/03/12, 16:26

    Grata pelo homenagem, meu amigo.
    Saber ser mulher, hoje, não é fácil.

    ResponderEliminar
  2. Dizer o que?
    Melhor ficar de pé e...
    CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP CLAP

    Valeu, MeuDecote; Adorei a aula.
    Jocassss

    ResponderEliminar
  3. E ai meu querido Denilson parabens pelo blog.
    Adorei o artigo kkk
    vou colocar seu blog na lista do meu blog.
    historiabruno.blogspot.com
    Parabéns viva a história.

    ResponderEliminar
  4. Parabens Denilson belo artigo belo blog.
    A história não para.

    ResponderEliminar
  5. Marco Aurélio03/03/12, 03:08

    Baboseira... Onde estão evidências das tais sociedades matriarcais?! OK, lá vão citar algum(a) antropólogo(a) esquerdista/feminista que distorce qualquer informação para subverter o que eles chamam de "família burguesa" e dar apoio às suas teorias feministas/socialistas/comunistas. Cara, não tenho mais paciência nem saco para essas porcarias!! Vou pensar três vezes antes de voltar a esse blog. As mulheres são a maior decepção da história da humanidade. Quanto mais elas assumem direito a voz e decisão, mais o aborto, divórcio, adultério e corrosão dos valores familiares tomam espaço. O meu apreço pelas mulheres em geral tem passado por uma degeneração tamanha, que se eu fosse colocar em palavras, com certeza a moderação não se sentiria confortável em publicar! Dia Internacional da Mulher... não comemoro mais. Já comemorei com entusiasmo, na verdade, com menos entusiasmo a cada ano. As mulheres traíram os homens e a humanidade, e são poucas, mas muito poucas mesmo as que se livram da culpa desta traição.

    ResponderEliminar
  6. Excelente texto Denilson. Gostei demais.

    ResponderEliminar
  7. Marco Aurélio, que interessante seu ponto de vista! Nenhum de nós conseguimos ver onde está o nosso feminismo/socialista/comunista... Você nos alertou, sabe? Mandei consertar a tecla SAP do blog, que não está funcionando para o entendimento deste e de todas as nossas postagens.

    Se por acaso você voltar, como disse que não fará (mas a história costuma desmentir esse tipo de intenção pré-avisada) e conseguir acionar a sua tecla SAP, talvez possa ler coisas como:
    O SER: MULHER http://www.venenoveludo.com/2011/03/o-ser-mulher.html
    O SER: HOMEM
    http://www.venenoveludo.com/2011/07/o-ser-homem.html
    SOBRE HOMENS, MULHERES E FOGUEIRAS
    http://www.venenoveludo.com/2011/07/sobre-homens-mulheres-e-fogueiras.html

    E sinta-se à vontade para não comentar o seu perfeito entendimento deste texto aqui, e do nosso blog.

    ResponderEliminar
  8. Marco Aurélio04/03/12, 12:01

    Olá, Regina! Como me foi concedido sentir-me à vontade para não comentar meu perfeito entendimento do texto, assim o farei. Mas, em função de esclarecimento, não disse que não voltaria e sim que pensaria três vezes antes de voltar. Portanto, a história não desmentiu a minha intenção pré-avisada, posto que em momento algum afirmei que a conclusão dos meus três pensamentos seriam negativas (nossa, será que consegui convencer alguém até aqui?! :-P). Além do mais, para cada pensamento recebi um texto que desfez o aparente paradoxo entre este texto e a qualidade do blog. Como disse, utilizar-me-ei da concessão de não comentar o meu perfeito entendimento do texto; no entanto gostaria de comentar a minha perfeita falta de entendimento do mesmo!
    Eu não entendi o porquê de o texto defender a hipótese matriarcal, sendo que até mesmo a data do seu surgimento sugere uma influência socialista/marxista. Sem contar que toda a ideia de uma sociedade dominada por mulheres "divinas" sendo subjugada por brutamontes "mundanos" reflete mais exatamente que um espelho a tal de luta de classes: mulher/proletariado versus homem/burguesia. E até onde minha falta de entendimento me permitiu perceber, o texto não ironizou o assunto, em contraste com a sua resposta ao meu comentário. Baseadas nessas ideias, as feministas provocaram uma situação em que se declarou o homem como arqui-inimigo de tudo. De tudo mesmo! Chegando a afirmar que até mesmo a exploração predatória da natureza tem como causa a exploração da mulher pelo homem!! Também me falta entendimento de como o texto pode usar ideias fundadas em teorias darwinianas para louvar a situação atual das mulheres, sendo que a teoria de Darwin não foi e talvez nunca poderá ser provada, e sem mencionar que a situação atual das mulheres não merece nenhum louvor... Quero esclarecer que não sou contra os direitos das mulheres, mas simplesmente acho que eles viriam com ou sem feminismo; não havendo, portanto, a necessidade de se usar os homens como espantalhos demoníacos. E também não sou fanático religioso, apenas que é tolice pretender promover revoluções apoiando-se em ideias baseadas em teorias que não podem ser provadas. Estou tentando não "dar o braço a torcer" quanto a nunca voltar ao blog ou a não comentar o meu perfeito entendimento do texto, mas eu não posso levar isso muito longe... :-P
    Eu quero, de verdade, pedir desculpas pelas palavras que eu usei! Eu exagerei na reação e tô me sentindo envergonhado por ter "falado" daquele jeito! O texto não merecia os predicativos e o blog é realmente bom, mas acho que toda essa discussão sobre aborto que tenho tido com algumas mulheres está me deixando um tanto explosivo sempre que um tema feminino é abordado.
    Eu quero pedir desculpas ao autor do texto, a você a aos leitores que toparam com o meu comentário exagerado! :-)

    ResponderEliminar
  9. Agora a gente abriu um canal que eu gosto, Marco Aurélio! Contestar textos pode-se, deve-se fazer. Eu faço aqui mesmo, com meus colegas que publicam, quando não concordo. o que não é possível, eu garanto, é nos classificar como defensores do que quer que seja ligado à doutrina esquerdista. Isso é tecnicamente impossível e moralmente escandaloso!! hehehe.

    Quanto à questão pertinente ao texto, deixo para o autor. Ele te explica, quando se logar. Ele construiu a ideia...

    O Veneno é a minha cara, inclusive pelo que publico que não possa concordar na íntegra: a diversidade de ideias, desde que não fira meus valores, fortalece a democracia. Portanto, a ironia em meus comentários, é inerente a mim, mais até do que ao blog. Pelo que, honestamente, não peço desculpas. Não o faço com intenção de ofender. Apenas, não dissocio ironia, bom humor e em muitas ocasiões, o cinismo (puro, conforme sua origem) do que escrevo. Mas volte... Este blog é para os fortes.

    ResponderEliminar